Jornal do Commercio
Crime de gênero

Estado lança Protocolo de Feminicídio para investigar morte de mulheres

Documento define diretrizes para investigar, processar e julgar os crimes com motivação de gênero em Pernambuco

Publicado em 28/08/2018, às 07h10

Site do projeto #UmaPorUma contabiliza todos os assassinatos de mulheres ocorridos em 2018 no Estado / Foto: Reprodução
Site do projeto #UmaPorUma contabiliza todos os assassinatos de mulheres ocorridos em 2018 no Estado
Foto: Reprodução
JC Online

Chamar o crime de gênero pelo devido nome: feminicídio. Não só nomear, mas investigar, processar e julgar. Para garantir que os casos de mulheres assassinadas pela condição de ser mulher sejam devidamente notificados, será lançado hoje o Protocolo de Feminicídio de Pernambuco. O documento terá capítulos específicos para a segurança pública (Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Científica e Corpo de Bombeiros), o aparelho de Justiça (Ministério Público, Defensoria Pública e Tribunal de Justiça) e secretarias estaduais que possuem relação com questões de gênero (Saúde, Secretaria da Mulher e Justiça e Direitos Humanos). A ideia é definir diretrizes que auxiliem na identificação de provas e circunstâncias que apontem a motivação de gênero, desde a cena do crime até a hora do julgamento.

O lançamento do documento ocorrerá, das 14h às 17h, no Auditório Ribeira do Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, no Grande Recife. A expectativa é a de que a investigação ganhe contornos mais objetivos com a aprovação do protocolo único de feminicídio. Além de Pernambuco, outros cinco Estados já adotaram as diretrizes: Rio de Janeiro, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Piauí e Maranhão.

A secretária estadual da Mulher, Silvia Cordeiro, destaca que um diferencial importante do documento elaborado no Estado é o fato de que ele resulta de uma discussão envolvendo todos os órgãos de segurança e Justiça. “O protocolo é um instrumento técnico. Cada instituição tem o seu. E o conjunto vai olhar entre si. Isso favorece que todo o processo investigativo e de julgamento transcorra com outro nível de qualidade, do ponto de vista da perícia, das provas e depoimentos colhidos. O protocolo vai melhorar o olhar das autoridades para identificar e punir o crime de gênero”, reforça. À frente da iniciativa, caberá à Secretaria da Mulher de Pernambuco monitorar e realizar ações de capacitação para garantir a implementação do documento.



ESTATÍSTICAS

O protocolo chega num momento necessário. De janeiro a julho deste ano, 146 mulheres foram assassinadas em Pernambuco. Desse total, 44 foram vítimas de feminicídio, o que representa 30% de todos os casos. Os números foram divulgados, no último domingo, no site do projeto #UmaPorUma (umaporuma.com.br), uma iniciativa do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação que contabiliza os homicídios de mulheres ocorridos no ano de 2018. O total de feminicídios apontados pelo projeto é o somatório dos indiciamentos feitos pela Polícia Civil (após a conclusão do inquérito) mais as denúncias oferecidas à Justiça pelo Ministério Público de Pernambuco.

Ontem a secretária Silvia Cordeiro participou de entrevista na TV JC para discutir o crime de gênero e os caminhos de prevenção e enfrentamento. Da conversa, participaram as jornalistas Ciara Carvalho e Julliana de Melo, que coordenam o coletivo de mulheres responsáveis pelo monitoramento dos casos, e Ismaela Silva, apresentadora da TV JC e também integrante do #UmaPorUma. O levantamento traz, em detalhes, a história de cada uma das 146 mulheres assassinadas, além de reportagens, entrevistas, vídeos e recortes estatísticos. O site é atualizado sempre no último domingo de cada mês.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM