Jornal do Commercio
ESPAÇO DE ACOLHIMENTO

IML do Recife ganha setor de atendimento humanizado para vítimas de violência

O espaço é destinado à mulheres, crianças e adolescentes vítimas de violência. Eles terão prioridade no atendimento e espaço com mais privacidade

Publicado em 10/10/2018, às 16h40

A prioridade no atendimento foi determinada na Lei 13.721, sancionada pelo Governo Federal em outubro deste ano / Foto: Fillipe Jordão/ JC Imagem
A prioridade no atendimento foi determinada na Lei 13.721, sancionada pelo Governo Federal em outubro deste ano
Foto: Fillipe Jordão/ JC Imagem
Cidades

Um novo espaço para a realização de perícias foi inaugurado nesta quarta-feira (10) no Instituto de Medicina Legal Antônio Persivo Cunha (IMLAPC), no bairro de Santo Amaro, área central do Recife. O centro de acolhimento será destinado unicamente à crianças, adolescentes e mulheres vítimas de violência. O local foi planejado de forma que estes pacientes tenham prioridade e não sofram qualquer constrangimento ou desconforto ao realizarem exame de corpo de delito.

A prioridade no atendimento foi determinada na Lei 13.721, sancionada pelo Governo Federal em outubro deste ano. Aliada ao decreto, foi levantada a necessidade de proteção das vítimas e maior rapidez na realização de exames e entrega de resultados para que os órgãos competentes possam dar seguimento aos inquéritos.

“Será um grande avanço e um grande processo acelerador na conclusão de inquéritos policiais que envolvem os crimes contra essas crianças e mulheres. Havia, sem dúvidas, a necessidade de separar essas vítimas das demais pessoas. Era preciso humanizar o espaço e acolhê-las”, pontua o secretário de Defesa Social do Estado, Antonio de Pádua.



Para a médica legista do IML Eveline Catão, o novo espaço ajuda a desvincular o local à ideia de departamento policial. “Foi reformulado pensando em mostrar que não é um ambiente policial. O paciente vai chegar aqui e se sentir em um consultório. Isso ajuda no bem estar e na hora dos exames e entrevistas”, conta. O setor foi decorado de forma acolhedora, com brinquedos e maior privacidade.

Interior

O espaço começou a funcionar nesta quarta e a intenção da Secretaria de Defesa Social (SDS) é que a proposta seja replicada em unidades da Polícia Científica do interior do Estado. “A ideia é interiorizar esse modelo de ação para melhorar o acolhimento das vítimas nas unidades do agreste, sertão e zona da mata”, acrescenta o secretário Antonio de Pádua. Segundo ele, o planejamento para a criação desses espaços no interior deve ficar pronto até o final deste ano. No Recife, o centro foi criado em parceria com o polo automotivo Jeep.

Coordenadora-executiva do Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares (Gajop), Deila Martins acredita na importância de implementar espaços como este em outros locais do Estado. “A inauguração desse centro em Recife é muito importante, principalmente para o atendimento de mulheres e crianças vítimas de violência sexual. Apesar disso, é preciso descentralizar e levar também essa proposta de parceria pública e privada para o interior. A situação dos IMLs é muito precária em Pernambuco”, comenta. De acordo com ela, espaços como este podem diminuir o índice de desistência dos pacientes, que sofrem com distâncias, demora e falta de atendimento especializado.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM