Jornal do Commercio
SJCC

Projeto #UmaPorUma vence 40ª edição do Prêmio Vladimir Herzog

Iniciativa do Sistema Jornal do Commercio monitora casos de mulheres assassinadas registrados em Pernambuco em 2018. Dados sobre feminicídio são alarmantes

Publicado em 11/10/2018, às 19h24

Para os integrantes do projeto #UmaPorUma, o prêmio é o reconhecimento ao trabalho coletivo e engajado / Foto: Léo Motta/JC Imagem
Para os integrantes do projeto #UmaPorUma, o prêmio é o reconhecimento ao trabalho coletivo e engajado
Foto: Léo Motta/JC Imagem
JC Online

Contando e lutando por todas as mulheres assassinadas em Pernambuco em 2018, o projeto #UmaPorUma, desenvolvido pelo Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, venceu a 40ª edição do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, nesta quinta-feira (11). Os ganhadores foram anunciados durante sessão pública, realizada na Sala Tiradentes da Câmara Municipal dos Vereadores de São Paulo. Neste projeto, os olhares vigilantes de Ciara Carvalho e Julliana de Melo, coordenadoras da iniciativa, se unem aos de outras 29 jornalistas mulheres do SJCC.

“O projeto só existe porque é um trabalho de muitas mãos. Por ser um coletivo, é uma troca de forças. Se fosse produzido por uma ou duas, não seria possível acontecer. Não só pelo quantitativo, mas porque contamos e vivenciamos histórias duras e cruéis. Estamos falando de mulheres. Poderia ser qualquer uma de nós”, conta Ciara Carvalho.

Julliana de Melo destaca a importância de receber um prêmio de direitos humanos no atual momento do País. "Esse reconhecimento só reafirma nossa função social de jornalistas, de ser a voz para quem já não pode mais falar. Profundamente emocionada e ciente da relevância desta premiação. Parabéns a toda equipe que assumiu o compromisso de contar, de forma tão respeitosa e sensível, essas histórias."

A construção do banco de dados será feita até o dia 31 de dezembro deste ano - quando os casos param de ser contabilizados, mas continuam sendo acompanhados até o julgamento de cada assassinato. De janeiro a agosto de 2018, o #UmaPorUma já registrou 167 casos de mulheres assassinadas, sendo 50 vítimas de feminicídio. No projeto é possível ter acesso a informações como nomes, idades, locais do crime e detalhes da investigação. “O objetivo era justamente não trabalhar com amostragem. Sabemos que na rotina do jornalismo alguns casos prevalecem em detrimento a outros. O #UmaPorUma é fundamentado no conceito e na prática de que a vida de todas as mulheres tem o mesmo valor”, ressalta Ciara.

Identificação, sororidade e engajamento

O feminicídio é um crime que vitima mulheres, independentemente de sua classe social. Um ato motivado pelo machismo, que subjuga o corpo da mulher. Segundo os dados do #UmaPorUma, a maior parte das vítimas de feminicídio tem o corpo marcado pela violência extrema: “Tiro, facada, órgãos genitais violados e corpo dilacerado - uma reafirmação do homem ao dizer que ‘se você não é minha, não é de ninguém. O seu corpo me pertence’”, afirma Julliana.



Para os participantes do #UmaPorUma, o Vladimir Herzog é um prêmio muito especial. "É o mais importante do País na área de direitos humanos. Reforça o  respeito às minorias, à liberdade de expressão, no momento em que pessoas estão sendo agredidas por serem o que são, mulheres espancadas por apresentarem sua opinião política”, avalia Ciara.

Para as jornalistas, o reconhecimento é uma motivação para continuar denunciando a violência diária contra as mulheres. "O prêmio vem para dizer: ‘Não desistam!’. Só o jornalismo de qualidade, com análise e aprofundamento dos fatos garantirá a nossa relevância. As mulheres assassinadas têm nome, sobrenome, rosto e deixam famílias. Vamos contar uma por uma. Para que não se esqueçam e para que não nos calem”, finaliza.

Fazem parte do #UmaPorUma

Reportagem: Adriana Guarda, Adriana Victor, Amanda Azevedo, Amanda Miranda, Amanda Rainheri, Anneliese Pires, Ana Maria Miranda, Bianca Bion, Ciara Carvalho, Cinthia Ferreira, Diana Moura, Elaine Santana, Eugênia Bezerra, Giovanna Torreão, Ísis Lima, Ismaela Silva, Juliana Oliveira, Julliana de Melo, Karoline Albuquerque, Laís Reynaux, Luiza Freitas, Mariana Dantas, Marina Padilha, Marília Banholzer, Mayra Cavalcanti, Milenna Gomes, Mona Lisa Dourado, Renata Lima, Roberta Soares, Vanessa Cortez e Vanessa Silva

Diretoria: Laurindo Ferreira, Maria Luiza Borges e Beatriz Ivo

Edição: Diogo Menezes, Betânia Santana e Gustavo Belarmino

JC Imagem: Arnaldo Carvalho, Heudes Regis, Bobby Fabisak, Diego Nigro, Felipe Ribeiro e Sérgio Bernardo

Design: Bruno Falcone Stamford, Karla Tenório, Moisés Falcão, Bruno de Carvalho, Eudes Belmiro, Eduardo Mafra e Ronaldo Câmara

Multimídia: Eriberto Pereira, Victória Gama, Tathiane Santos, Catarina Farias e Diogo Azevedo





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM