Jornal do Commercio
DIA DAS CRIANÇAS

Brincar é essencial para o crescimento das crianças, alertam especialistas

A rotina cada vez mais atarefada dos pequenos têm diminuído o tempo disponível para as brincadeiras

Publicado em 12/10/2018, às 09h19

Brincar ajuda na coordenação motora e no desenvolvimento cognitivo de meninos e meninas / Foto: Diego Nigro/ JC Imagem
Brincar ajuda na coordenação motora e no desenvolvimento cognitivo de meninos e meninas
Foto: Diego Nigro/ JC Imagem
AMANDA RAINHERI

Uma verdadeira maratona. Assim é a rotina da maior parte das famílias no mundo moderno. A correria se estende também aos pequenos, que têm o dia cada vez mais preenchido por diversas tarefas. O problema, apontam especialistas, é que as crianças têm deixado de lado um hábito essencial para o crescimento: o brincar. Muito mais do que apenas divertir, as brincadeiras desempenham papel fundamental no desenvolvimento social, emocional, cognitivo e motor de meninos e meninas.

“A atividade lúdica deve começar muito cedo, porque é uma forma de estimulação sensorial e motora. Nos primeiros anos de vida, todas as brincadeiras são importantes: esconde-esconde, pintura, estímulos de ir ao chão, uso de triciclo, entre outros. O maior período de desenvolvimento do cérebro é aquele que vai até os três anos de idade. Todas as informações recebidas nessa fase serão levadas pelo resto da vida”, explica o pediatra Homero Rabelo. 

Além de problemas motores, a falta de estímulos pode trazer prejuízos cognitivos. “Isso porque, enquanto brinca, a criança está exercitando o cérebro, estimulando o raciocínio, através de milhões de sinapses”, completa.

A maior preocupação está no uso excessivo de aparelhos eletrônicos. “Estudos demonstram que há influência da tecnologia no comportamento das crianças, que pode ser nociva à saúde. Podem ocorrer dificuldades na socialização, dificuldades escolares, aumento da ansiedade, violência, transtorno de sono e alimentação, sedentarismo, problemas auditivos, visuais posturais. Questões graves como jogos que incitam violência, autoagressão e suicídio tem sido cada vez noticiadas”, defende o também pediatra Eduardo Jorge Fonseca.

Mãe de Felipe e José, de 3 e um ano de idade, a auxiliar de escritório Simone Barros, 37, limita o acesso dos meninos aos equipamentos eletrônicos. “O mundo virtual é muito mais atrativo para eles. Na correria do dia a dia, acaba sendo mais prático também para os pais. É mais fácil dar o celular para brincar do que ir até um parque.”

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que crianças com menos de dois anos de idade não tenham acesso a telas (celular, tablet). De três a cinco anos, o tempo máximo deve ser de duas horas. Na idade escolar, a recomendação é de manter o máximo de duas horas de acesso, sem contar o tempo destinado a realização de tarefas da escola. 



Para a psicóloga Patrícia Guimarães, as cobranças da sociedade também colocam a criança em situação de privação. “Existe uma preocupação grande com a performance. Isso está fazendo com que as crianças esqueçam o que é ser criança. Elas precisam dar conta da escola e de várias atividades, como esportes e cursinhos de idiomas. A brincadeira fica de lado, como se esse fosse um tempo ocioso, perdido, quando na verdade é um momento de aprendizado como os outros”, pontua.

No Brasil, seis em cada dez meninos e meninas tem pelo menos um de seus direitos básicos violados. “Entre eles, está o direito de brincar. A criança precisa viver sua condição de criança”, defende Verônica Bezerra, oficial de educação do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

INTERAGIR COM O MUNDO REAL

Estimular as brincadeiras vai muito além de limitar o tempo de exposição dos pequenos aos tablets, celulares e videogames. É preciso voltar no tempo e resgatar hábitos que, aos poucos, estão se perdendo. Andar descalço, brincar na areia, na grama, brincar ao ar livre, com brinquedos e objetos que exercitam a criatividade e não venham prontos em uma caixa. 

Mãe de Laís, 7 anos, e Lara, 3, Leide Daiana dos Santos, 30, costuma levar as meninas ao parque nos fins de semana. “Elas gostam muito de estar na rua, em contato com outras crianças. É importante para o desenvolvimento.” Em casa, as meninas são estimuladas a criar os próprios brinquedos, utilizando massinha de modelar e blocos de montar.

“Hoje em dia tudo vem pronto, cheio de regras. Isso não permite que a criança faça suas próprias escolhas. É cada vez mais comum ver os espaços de lazer em escolas, prédios e restaurantes sendo fabricados em plástico e grama sintética. As crianças precisam interagir com o mundo real”, argumenta a pedagoga Camila Domingues. Foi esse pensamento que motivou ela e a sócia Tetê Brandão a criarem a Casa das Asas, na Zona Norte da capital. “O objetivo do espaço é fazer com que as crianças brinquem com tintas, areia, barro. Muitas delas chegam com medo de se sujar, de experimentar coisas diferentes”, conta.

O pediatra Homero Rabelo destaca que a demanda por terapia ocupacional na infância tem crescido devido a transtornos sensoriais provocados pela falta de contato de meninos e meninas com o mundo exterior. “Muitos sentem uma irritabilidade extrema quando se pega nos pés ou mãos. Isso acontece porque os estímulos não foram dados. A pele não reconhece aquela textura”, explica. 

Entre os problemas estão ainda o desenvolvimento de quadros alérgicos, como rinite, asma e eczema na pele.s





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM