Jornal do Commercio
Religião

Senhora da Conceição: réplica da imagem à venda no santuário

A igreja encomendou 200 estátuas em miniatura da imagem da santa que fica no Morro da Conceição, no Recife, desde 1904

Publicado em 23/11/2018, às 11h30

Padre Renato Azevedo participa da organização da Festa do Morro pelo terceiro ano / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Padre Renato Azevedo participa da organização da Festa do Morro pelo terceiro ano
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Da Editoria Cidades

Na 114ª Festa de Nossa Senhora da Conceição fiéis poderão levar para casa uma réplica em miniatura da imagem da santa, instalada desde 1904 no Morro da Conceição, bairro da Zona Norte do Recife. A estátua, feita de costa durata (calcário resinado), tem 30 centímetros de altura, é toda pintada à mão e custa R$ 350. De acordo com padre Renato Azevedo, pároco do santuário, o valor pode ser parcelado.

As primeiras réplicas da imagem estão à venda na loja do santuário, inaugurada em outubro de 2018 para comercialização de artigos religiosos como terços, estátuas sacras, velas, camisas e peças de cerâmica estampadas com a temática da santa. “Elas foram produzidas em São Paulo, encomendamos 200 unidades, inicialmente”, informa padre Renato Azevedo.

No próximo domingo (25/11), quatro dias antes da abertura oficial da Festa de Nossa Senhora da Conceição, serão celebradas duas missas em ação de graças no santuário: uma às 9h para os motoristas que conduzem fiéis ao Morro, e outra às 18h com bênção e envio para as missões dos 600 voluntários da festa. “A maior parte dos voluntários é do Morro, mas pessoas de outras paróquias também participam”, diz ele.

A missa dos condutores de veículos é realizada há alguns anos e ganhou mais visibilidade em 2017. “O santuário recebe romarias de muitos Estados e os motoristas sempre pedem proteção para as viagens, por isso criamos a missa seguida da bênção”, explica o padre, acrescentando que há uma tradição, em festas de padroeiros de outras localidades, da noite dedicada aos motoristas.



A Festa de Nossa Senhora da Conceição será aberta quinta-feira (29) com a Procissão da Bandeira, que este ano sairá do Parque da Macaxeira, na Avenida Norte, e não mais do Sítio Trindade, em Casa Amarela, como antes. “Alteramos o roteiro porque a procissão sai no horário de pico, às 18h, e causava congestionamento na Estrada do Arraial. Com o percurso pela Avenida Norte o impacto no trânsito é menor e contemplamos bairros vizinhos como Macaxeira e Apipucos”, comenta o pároco.

CLIMATIZAÇÃO

Outra novidade durante a festa, que termina no dia dedicado a Nossa Senhora da Conceição, 8 de dezembro, é a instalação de espaços climatizados e específicos para confissões na lateral da igreja. “São estruturas móveis, com mais conforto e privacidade para os fiéis. Também teremos reforço de padre missionários de São Paulo”, afirma o sacerdote.

O show de abertura, no dia da Procissão da Bandeira, foi transferido para o sábado (1° de dezembro) e será conduzido pelo cantor Nando Cordel. No encerramento da festa, que te como tema Nossa Senhora da Conceição do Morro: Somos Igreja do Amor que Nasceu de Ti, haverá show dos padres cantores João Carlos e Damião Silva. O santuário fechará as portas à meia-noite do dia 8. Nesse mesmo horário será suspenso o acesso à imagem da santa.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM