Jornal do Commercio
AFUNDOU

Obra no Sítio Histórico de Olinda provoca vazamento e chão de casa afunda

Por conta do incidente, a obra da Compesa, que seria para melhorar o abastecimento da localidade, foi suspensa, e alguns bairros da cidade ficam sem água

Publicado em 06/12/2018, às 14h57

O muro da casa está escorado por toras de madeiras, para evitar a queda do muro principal.  / Foto: Bruno Albertim/JC Online
O muro da casa está escorado por toras de madeiras, para evitar a queda do muro principal.
Foto: Bruno Albertim/JC Online
JC Online

Uma obra da Compesa no bairro do Varadouro, em Olinda, no Grande Recife, ocasionou o abatimento do piso de uma casa, na Rua Henrique Dias. A residência, que é patrimônio histórico, está escorada por toras de madeira para evitar a queda do muro principal. Nesta quinta-feira (6), técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) fizeram uma vistoria no local para acionar as medidas de proteção.

Segundo a assessoria da Compesa, o chão afundou após os técnicos da empresa abrirem um buraco na rua, para instalar uma caixa de proteção para equipamentos que devem melhorar a distribuição de água na localidade. No serviço, um vazamento acabou minando para o solo da casa, causando o incidente.



"A empresa contratada pela Companhia para realizar a obra  já entrou em contato com o proprietário do imóvel, assegurando que será responsável pelos  reparos necessários”, destacou a assessoria. O Iphan e a Secretaria de Patrimônio e Cultura de Olinda vistoriam o andamento da obra, para assegurar a preservação do imóvel histórico.

Bairros sem água

Com a suspensão da obra, para que os reparos na casa sejam feitos, alguns bairros são afetados com a falta de água. Os bairros: Sé, Ribeira, Umuarama, Carmo , Varadouro,  Bertioga e Amaro Branco ficam sem abastecimento até esta quinta-feira, conforme prevê a Compesa.


Recomendados para você


Comentários

Por costa,07/12/2018

O problema que ocorre é que esse pessoal que vai fazer essas obras, não tem qualificação alguma, cavam em qualquer lugar, de qualquer jeito e dane-se o resto, teria que haver um levantamento técnico do local antes das furações, mas as prefeituras não estão nem aí, tanto é que durante e depois, como no caso em questão, ocorre incidentes e depois os buracos são tampados com a terra que saiu de dentro! É um absurdo e descaso total desses governantes com a população.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM