Jornal do Commercio
SUSTENTABILIDADE

Adolescentes da Funase aprendem a fazer detergente não poluente

O projeto foi desenvolvido no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) Jaboatão dos Guararapes e aplicado no Case Vitória de Santo Antão

Publicado em 25/03/2019, às 17h48

Os adolescentes participaram, na última sexta-feira (22), de várias oficinas promovidas pela Funase na unidade / Foto: Divulgação
Os adolescentes participaram, na última sexta-feira (22), de várias oficinas promovidas pela Funase na unidade
Foto: Divulgação
JC Online

Adolescentes de uma das unidades da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) participaram de várias oficinas educativas na última sexta-feira (22). Em uma delas, os socioeducandos puderam aprender a fazer detergente caseiro que não polui o meio ambiente.

O projeto foi desenvolvido no anexo da Escola Estadual Frei Jaboatão, que fica dentro do Centro de Atendimento Socioedutativo (Case) Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, e aplicado no Case Vitória de Santo Antão, localizado na Zona da Mata do Estado, no programa GEIDH Presente, que leva oficinas para unidades da Funase. A fórmula consiste em água aquecida, vinagre, bicarbonato de sódio e sabão de coco. Em janeiro deste ano, o projeto ganhou destaque e foi mencionado no Twitter da ONU France et Monaco e nas páginas da Revista PEA-Unesco.

Oficinas

Os socioeducandos puderam participar também de oficinas sobre mamulengo, matemática, bijuterias, sexualidade, sustentabilidade, leitura e ainda da ação chamada de "Guarda-chuva amarelo". "O projeto valoriza toda a contribuição que a educação oferece à ressocialização. Ter a participação ativa dos estudantes na elaboração das atividades de recepção e a brilhante atuação nas oficinas indica que estamos no caminho certo", disse a coordenadora da Escola Estadual Professora Amélia Coelho, Zoraide Pereira de Deus e Melo.

Segundo o coordenador geral do Case Vitória, Ricardo Veríssimo, as oficinas agradaram os adolescentes. "O evento foi um sucesso. É algo que renova os adolescentes, as equipes e gera o sentimento de dever cumprido", afirmou.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM