Jornal do Commercio
OBRA

Prefeitura emite nota sobre empreendimento no Cais José Estelita

Segundo o texto, a demolição teve anuência do Iphan

Publicado em 25/03/2019, às 18h04

Grupo chegou a montar uma barraca no local / Foto: Ciara Carvalho/JC
Grupo chegou a montar uma barraca no local
Foto: Ciara Carvalho/JC
JC Online

A Prefeitura do Recife emitiu uma nota no fim da tarde desta segunda-feira (25) sobre as obras no Cais José Estelita, bairro de São José, área central do Recife. A demolição dos galpões começou no período da manhã e foi alvo de protestos.

Segundo o texto, o projeto para a área foi regulamentado pela lei municipal 18.138/2015. Entre as regras estabelecidas, estão a construção de um parque público onde hoje é a Avenida José Estelita, a concessão de dois terços do terreno para uso público, a construção de 200 casas populares.

Os prédios residenciais, que ocuparão o último terço da área, não poderão ter muros, nem grades. No térreo dos edifícios, deve haver comércios e serviços. As empresas Moura Dubeux, Queiroz Galvão e GL, responsáveis pela execução do projeto, devem ainda investir R$ 80 milhões em obras públicas na capital pernambucana.

A nota ainda informa que o empreendimento teve a permissão do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Leia a nota na íntegra

Sobre o início da execução de empreendimento privado no terreno do Cais José Estelita, a Prefeitura do Recife vem a público esclarecer que:

Ainda em 2014, a Prefeitura do Recife iniciou um amplo processo de diálogo e participação para propor, em conjunto com a sociedade e os setores técnicos envolvidos, uma nova visão de urbanização não só para o antigo terreno da RFSA, no Cais José Estelita, como para os bairros do entorno. Naquele momento já estava aprovado, desde 2012, um projeto privado para o terreno. Entre os pleitos da sociedade estava a elaboração de um Plano Específico para o Cabanga, Cais José Estelita e Santa Rita. A Prefeitura do Recife iniciou outro amplo processo de discussão que resultou na Lei 18.138/2015, que regulamenta este Plano Específico.

O atual projeto aprovado para a área foi adequado para essa nova legislação, incorporando diversos avanços para o território e para toda a cidade. A partir da nova lei, dentro da área privada do Cais José Estelita, hoje temos 65% de área de uso público e 35% de área privada, o que configura um importante ganho para a qualidade do espaço urbano da cidade. Com a lei, essas áreas passam a contar com a mais moderna legislação urbanística da cidade, uma vez que ela contempla conceitos e princípios urbanísticos que estão presentes em várias partes do mundo. O objetivo foi construir referências viáveis para a construção de um espaço melhor ordenado e que seja capaz de promover qualidade urbana e, consequente, qualidade de vida. Entre os avanços alcançados a partir da nova legislação estão:



- Implantação de um parque linear valorizando a borda d'água, outro parque na área da antiga ferrovia e espaços públicos de convivência, esportes, cultura e lazer;

- Eliminação de grades e muros em todas as edificações;

- Redução das quadras;

- Ciclovia em toda a extensão da linha d'água;

- Embutimento de fiação;

- Redução em 2/3 de altura das edificações mais próximas da área histórica (a altura nessas áreas sai de 38 andares para até 12 pavimentos, respeitando recuo de 50 metros a partir da proximidade dos armazéns localizados junto ao Forte das Cinco Pontas);

- Oferta de comércio e serviços no térreo de todas as edificações;

- Implantação de cobertura vegetal no topo dos prédios (telhado verde) e reutilização das águas das chuvas por meio de reservatórios de acúmulo;

- Eliminação do viaduto das Cinco Pontas devolvendo a relação que o Forte tem com a frente d'água;

- Calçadas com aproximadamente cinco metros de largura;

- Construção de habitações de interesse social em área próxima;

- Conexão da Avenida Dantas Barreto com o Cais José Estelita.

É importante frisar que o alvará de demolição concedido na manhã desta segunda-feira (25) está em conformidade com as normas de licenciamento vigentes, inclusive com anuência do Iphan, e atende à solicitação dos responsáveis pelo projeto.

Manifestações

Um grupo de manifestantes foi ao local das obras na manhã desta segunda. Uma barraca de acampamento chegou a ser montada. Eles tentam com que a obra seja embargada através da lei municipal 16.292/97, que diz que os responsáveis deveriam ter colocado uma placa no local da obra informando prazo de conclusão, valor empregado, o nome da construtora entre outras informações. Por conta da ausência da placa, eles acionaram a Diretoria de Controle Urbano do Recife (Dircon) para embargar a demolição.

Ainda segundo os manifestantes, o Ministério Público Estadual (MPE) também foi acionado para intervir no caso. O grupo também negociou com os engenheiros presentes no local para que seja liberada a posse do alvará de demolição. A Polícia Militar intermediou a negociação. 





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM