Jornal do Commercio
Notícia
AMOR

Dia dos Namorados: ''Eu encontrei ela no Tinder''

Amanda Moraes e André Gomes se conheceram pelo aplicativo de relacionamentos Tinder em 2014

Publicado em 12/06/2019, às 07h03

Os dois estão casados desde setembro de 2018  / Foto: Cortesia
Os dois estão casados desde setembro de 2018
Foto: Cortesia
Rute Arruda
rarruda@sjcc.com.br

Quem nunca ficou com o coração acelerado quando viu o “crush” ficar online ou quem nunca deu aquela “stalkeada” diaria que atire a primeira pedra. Afinal, não é de hoje que a internet é um facilitador para os mais tímidos encontrar sua cara metade. Desde os extintos mIRC e ICQ até os atuais Instagram e WhatsApp, é mais do que normal o uso das redes para juntar as pessoas. Por isso que neste 12 de junho, quando se comemora o Dia dos Namorados, o Jornal do Commercio resolveu trazer a história de três casais que se conheceram através da internet e provaram que, sim, o amor pode nascer entre um clique e outro. Veja onde comer nesta quarta-feira. 

O nome dela não é Jenifer, mas a história de amor começou no Tinder para Amanda Moraes, 27, e André Gomes, 34. Os dois não lembram quem deu o “match” primeiro, mas há cinco anos as primeiras palavras foram trocadas pelo aplicativo de relacionamentos e, desde então, eles têm compartilhado vários momentos juntos. A história dos dois começou no início de 2014, quando marcaram de se conhecer em um barzinho no bairro do Parnamirim, Zona Norte do Recife.

Se a primeira impressão é a que fica, nenhum dos dois pareceu se arrepender do que encontrou naquele contato face a face. “Eu cheguei primeiro e sentei em uma mesa. Aí teve um momento que eu o vi na calçada e pensei: ‘Ah, eu acho que é aquele menino ali’. E quando ele chegou, eu fiquei bem feliz. O jantar foi bem legal. A gente conversou bastante e de uma forma bem descontraída, bem leve. Sem a pressão de ficar paquerando. Não parecia que era a primeira vez que a gente se via”, lembrou Amanda.

“Desde o início das nossas conversas eu gostei do jeito de Amanda. Ela não era uma menina de ficar conversando o tempo todo, pelo contrário, a gente conversava uma vez na semana, passava outra semana sem nos falar e conversava de novo depois, mas era sempre legal”, disse André, que explicou o motivo de ter usado o Tinder para encontrar seu grande amor. “Eu vi no Tinder uma oportunidade de conhecer uma pessoa. Pelo menos de conversar, saber características dela e tudo mais. Sem ser em uma balada ou em qualquer ambiente artificial. Desde as conversas da gente que eu gostei do jeito de Amanda", concluiu André.



Apesar das boas primeiras impressões naquele barzinho do Parnamirim, o primeiro beijo só aconteceu dias depois. “A gente já tinha saído umas três vezes. Aí teve outra vez que a gente saiu, foi para outro barzinho e ficamos conversando. Eu fiquei tomando coragem e fui deixar ele em casa”, comentou André. E a coragem veio. “Quando eu ia descer do carro, ele me beijou”, completou Amanda.

Depois do primeiro beijo, Amanda e André só começaram a namorar, de fato, em maio de 2014, após um passeio pelo Parque da Jaqueira, também na Zona Norte do Recife. No mesmo dia, ele já conheceu os sogros e os dois continuaram como namorados por dois anos, quando, em maio de 2016, veio a celebração do noivado. O pedido de casamento não aconteceu de surpresa, porque a decisão de se tornarem “um só” aconteceu naturalmente. “A gente sempre conversou sobre isso e teve um dia que sentamos e dissemos: ‘Vamos escolher a data para noivar’. Fomos resolvendo e conversando”, explicou Amanda.

Os dois selaram a união em setembro de 2018, rodeado de familiares e amigos, e são mais uma prova de que relacionamentos que começaram em uma plataforma de relacionamentos podem sim, dar certo.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM