Jornal do Commercio
Notícia
CONEXÃO

Dia dos Namorados: Um amor nascido no ''canal Cordeiro'' do mIRC

O casal pernambucano Micheline Gomes e Anderson Miranda se conheceram na extinta rede social há 15 anos

Publicado em 12/06/2019, às 07h00

Os dois cultivam um amor que nasceu na internet e hoje eles têm dois filhos  / Foto: Filipe Jordão/ JC Imagem
Os dois cultivam um amor que nasceu na internet e hoje eles têm dois filhos
Foto: Filipe Jordão/ JC Imagem
Rute Arruda
rarruda@sjcc.com.br

Quem nunca ficou com o coração acelerado quando viu o “crush” ficar online ou quem nunca deu aquela “stalkeada” diaria que atire a primeira pedra. Afinal, não é de hoje que a internet é um facilitador para os mais tímidos encontrar sua cara metade. Desde os extintos mIRC e ICQ até os atuais Instagram e WhatsApp, é mais do que normal o uso das redes para juntar as pessoas. Por isso que neste 12 de junho, quando se comemora o Dia dos Namorados, o Jornal do Commercio resolveu trazer a história de três casais que se conheceram através da internet e provaram que, sim, o amor pode nascer entre um clique e outro. Veja também onde comer nesta quarta-feira. 

A história de amor de Micheline Gomes e Anderson Miranda, juntos há 15 anos, começou na época em que existia a extinta rede social mIRC. Quem se lembra dela? O mIRC funcionava como uma sala de bate-papo dividida em vários grupos de interesse (chamados de canais), como, por exemplo, o que os pernambucanos participavam: o do bairro do Cordeiro, da Zona Oeste do Recife. Com o nickname estrelinha25, usado por Micheline, e didope28, utilizado por Anderson, os dois passaram a trocar mensagens em janeiro de 2004, até que resolveram conversar de forma privada. Somente após dois meses de muito bate-papo virtual (e três tentativas frustradas de se ver pessoalmente) é que o casal, finalmente, se viu pela primeira vez. A data? 3 de março. E foram “apressadinhos”, viu?! Vinte e seis dias depois, Micheline descobriu que estava grávida de Anderson.

“Com 26 dias que a gente começou a sair eu passei mal. Fui para o hospital e a médica sugeriu que eu fizesse o exame de beta HCG (que indica se a mulher está grávida ou não). No dia que o resultado saiu, Anderson foi lá buscar e disse: ‘eu vou ser pai de um filho seu’”, contou a engenheira civil. “Quando eu descobri que estava grávida, foi aquele desespero, mas ele chegou para mim e disse: ‘Nós vamos casar’”, lembrou.



Recebida a notícia de que iriam ser pais, havia chegada a hora de contar aos pais de Micheline, que até então não sabiam do namoro - e muito menos do futuro casamento da filha, tampouco do neto que estava por vir. O dia escolhido não poderia ser mais marcante: 12 de junho, sim, o Dia dos Namorados. Passado o temor de enfrentar os pais da então namorada e futura esposa, um mês depois Micheline e Anderson selaram a união.

A materialização do amor dos pernambucanos veio ao mundo em novembro daquele ano. Anderson Filho, hoje com 14 anos, nasceu de parto cesáreo sob uma atmosfera de amor puro.

Após a gravidez do primeiro filho, a engenheira tentou engravidar novamente, mas não conseguiu devido a problemas de sobrepeso. Mas a alegria não tardou e, em 2011, nasceu Marcela, hoje com oito anos. Atualmente, o casal continua morando no Cordeiro, onde tudo começou, bairro que deu nome àquela sala de bate-papo do mIRC.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM