Jornal do Commercio
Transporte

Linha Centro do metrô do Recife não terá mais operação parcial e só deve voltar na quinta

A Superintendência da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) no Recife desistiu de tentar retomar as viagens, mesmo com o intervalo entre os trens duplicado, porque o problema atingiu peças que permitiriam a operação parcial

Publicado em 15/07/2019, às 18h49

A previsão é de que o sistema só volte ao normal na quinta-feira (18), provavelmente no fim do dia. Ou, no máximo, na sexta-feira (19) / Foto: Léo Motta/JC Imagem
A previsão é de que o sistema só volte ao normal na quinta-feira (18), provavelmente no fim do dia. Ou, no máximo, na sexta-feira (19)
Foto: Léo Motta/JC Imagem
Roberta Soares

A Linha Centro do metrô do Recife, que conecta Jaboatão dos Guararapes e Camaragibe, na Região Metropolitana, à capital, não terá mais operação parcial para tentar minimizar os transtornos provocados pelo rompimento da rede aérea do sistema, ocorrido nas primeiras horas do domingo (14), e que tem afetado 260 mil passageiros. A Superintendência da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) no Recife desistiu de tentar retomar as viagens, mesmo com o intervalo entre os trens duplicado, porque o problema atingiu peças que permitiriam a operação parcial. A previsão é de que o sistema só volte ao normal na quinta-feira (18), provavelmente no fim do dia. Ou, no máximo, na sexta-feira (19).

O problema atual no metrô do Recife, é importante ressaltar, tem relação direta com a falta sistemática de investimentos no sistema pernambucano

Na manhã desta segunda-feira (15), o superintendente do metrô do Recife, Leonardo Villar Beltrão, chegou a afirmar que a operação completa da Linha Centro seria possível apenas na sexta-feira (18), adiando em um dia a previsão inicial, que era na quinta-feira. Alegou que as chuvas do domingo dificultaram os trabalhos de recuperação da rede aérea do sistema, atrasando o cronograma estimado. Mas horas depois, no fim do dia, a previsão inicial voltou a valer. “Os técnicos têm trabalhado continuadamente desde as primeiras horas do domingo para tentar retomar a operação. Queríamos garantir pelo menos a parcial, com o que chamamos de via singela (com uma única via, o que significa que apenas um trem passa por vez), mas não será possível. O rompimento do cabo no interior do conector da rede aérea afetou também as peças que permitem os trens migrarem para uma via singela. O tempo de espera entre os trens seria muito alto para a demanda de passageiros que temos. Não compensa”, explicou Beltrão.



A paralisação da Linha Centro aconteceu devido ao rompimento de um cabo que fica no interior de um conector da rede aérea, o que provocou o rebaixamento da rede, impossibilitando a operação. O problema aconteceu durante a viagem de inspeção para a liberação da via para iniciar a operação do domingo. Quando o trem de inspeção passou, o cabo rompeu e provocou danos em um quilômetro de cabos do sistema que alimenta os trens, gerando a interrupção da circulação.

Leia mais sobre o metrô do Recife e os sistemas metroferroviários no #BlogMoveCidade

SEM INVESTIMENTOS

O problema, é importante ressaltar, tem relação direta com a falta de investimentos no metrô do Recife. Segundo Leonardo Villar Beltrão, apesar de o rompimento do cabo ter sido interno, dentro de um conector, se as manutenções e vistorias fossem feitas com frequência – como deveria ser –, talvez o desgaste do equipamento fosse percebido de alguma forma. “Para se ter ideia da situação, há dois anos estamos com os principais equipamentos usados na vistoria e inspeção da rede aérea paralisados por falta de manutenção. São veículos especiais usados para circular na linha e verificar os problemas. Estamos brigando pelos recursos de custeio, ou seja, para garantir apenas a operação básica. E, mesmo assim, sob ameaça de reduzir o funcionamento a partir de agosto”, disse o superintendente.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM