Jornal do Commercio
Notícia
CONSCIENTIZAÇÃO

Campanha lança material informativo sobre violência doméstica para prédios

A campanha nacional foi lançada após Pernambuco aprovar uma lei que obriga síndicos e administradores de prédios a denunciarem casos de agressão contra mulheres, jovens e idosos

Publicado em 02/08/2019, às 08h20

Em candeias, Alcione Nobre e Danielly Parisio abraçaram a causa e fixaram cartazes no condomínio / Foto: Bianca Sousa/ JC Imagem
Em candeias, Alcione Nobre e Danielly Parisio abraçaram a causa e fixaram cartazes no condomínio
Foto: Bianca Sousa/ JC Imagem
Editoria de Cidades

“Não tenha medo de meter a colher em briga de marido e mulher.” O recado está estampado no cartaz produzido para a campanha Violência Doméstica Aqui Não, da startup Mete a Colher em parceria com o Instituto Maria da Penha (IMP), e é endereçado a moradores e síndicos de condomínios. O objetivo é fornecer informações sobre o ciclo de violência e como realizar a denúncia. A campanha nacional foi lançada após Pernambuco aprovar uma lei que obriga síndicos e administradores de prédios a denunciarem casos de agressão contra mulheres, jovens e idosos.

Moradores, síndicos ou administradores podem acessar a plataforma violenciadomesticaaquinao.com e baixar o cartaz e uma cartilha informativa. O material pode ser fixado em elevadores, murais ou outras áreas comuns de prédios e condomímios.
“Se trata de um material educativo, para conscientização. Enquanto comunidade, precisamos intervir. A vítima precisa saber que o prédio está de olho, para se sentir mais protegida e amparada. O maior inimigo dela é o silêncio”, defende Renata Albertim, uma das fundadoras do Mete a Colher.

A autônoma Alcione Nobre, 46 anos, imprimiu cartazes para fixar no condomínio onde mora, em Candeias, em Jaboatão dos Guararapes. “Se o vizinho ouvir uma agressão e ficar calado, contribui para que a vítima não saia do ciclo de violência.” A síndica, Danielly Parisio, 39, abraçou a ideia. “Desde que assumi, em setembro, alguns casos já aconteceram. Sempre tivemos a postura de mostrar para o agressor que estávamos por perto, seja tocando campainha, mandando o porteiro interfonar ou chamando a polícia. A portaria é autorizada a deixar qualquer viatura entrar.”



LEI

Em junho, o Estado sancionou lei, de autoria da deputada estadual Gleide Ângelo (PSB), que determina que síndicos e administradores devem denunciar casos de violência, sob pena de pagamento de multa de até R$ 10 mil. “Sabemos da importância de proteger esses grupos vulneráveis, mas muitos síndicos ficaram apreensivos quanto às repercussões da denúncia”, afirmou Márcio Gomes, presidente do Sindicato da Habitação de Pernambuco (Secovi-PE).

Para a vice-presidente do IMP, Regina Célia Barbosa, a cartilha cumpre a função de orientar nesse processo. “Foi uma conquista importante, mas precisamos de campanhas educativas como essa para que a denuncia seja feita de forma segura e orientada.”




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM