Jornal do Commercio
Notícia
motociclistas pela vida

Ato no Recife conscientiza sobre o uso de cerol e linha chilena

Motociclistas se reúnem no Parque Dona Lindu, em Boa Viagem, Zona Sul da Capial

Publicado em 09/08/2019, às 14h00

As linhas cortantes podem causar graves ferimentos.  / Foto: Alexandre Lopes/ Especial para o JC
As linhas cortantes podem causar graves ferimentos.
Foto: Alexandre Lopes/ Especial para o JC
Editoria Cidades

Se para alguns empinar pipa é um passatempo divertido, para outros, a brincadeira pode ser sinônimo de risco. Com o propósito de discutir e chamar atenção para o combate ao uso de cerol e linhas chilenas, motociclistas do Recife realizam ato neste sábado (10), às 10h, no Parque Dona Lindu, em Boa Viagem, Zona Sul da capital. A mobilização faz parte do movimento nacional Motociclistas Pela Vida. O grupo se reúne com bandeiras e panfletos para conscientizar sobre o perigo que correm os condutores.

O evento acontece pouco mais de um mês da aprovação na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) da lei que proíbe o uso de todas as linhas cortantes. O texto, de autoria do deputado estadual Romero Sales Filho (PTB), expande a norma de 2001 que já tornava ilegal o cerol, mistura feita à base de vidro e cola. O código estabelece uma multa de R$ 1.000 para infratores, e o dobro do valor em caso de reincidência.

Apesar do avanço na legislação, quem anda de moto ainda se queixa da falta de controle. “É preciso que as autoridades tenham mais empenho na fiscalização para não existir mais essa prática. Se alguma atitude fosse tomada, não haveria incidência”, ressata um dos organizadores do protesto, Vinicius Alvino, 27 anos.

Por serem cobertos com substâncias como pó de ferro, quartzo moído e óxido de alumínio, os artefatos podem causar graves ferimentos. Na velocidade em que trafegam os veículos, a linha chilena – mais resistente que o cerol – tem capacidade para cortar desde a antena de proteção da moto até a lataria de carros ou caminhões.

Em dezembro, um motociclista de 38 anos morreu após ser atingido no pescoço por uma corda com cerol na BR-101, em Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife (RMR). “É um sentimento de insegurança. No trânsito, a gente já corre perigo. Quando você tem um agente externo que aumenta a probabilidade de morte, você fica com medo. Tem risco de morrer pelo corte da linha, ou pelo acidente que pode ser causado pelo envolvimento com ela, de cair, de bater”, relata Vinicius Alvino.



O entregador Sandoval Santos Júnior, 36, por exemplo, teve a mão cortada com cerol enquanto dirigia. “Minha sorte é que eu estava a uns 40 km/h. Quando vi, a linha já pegou no meu pescoço e eu tirei com a mão rapidamente. Tive sorte”, conta. O motociclista também cobra maior rigidez da lei.

Para Vinicius Alvino, a solução está em retirar os empinadores de perto das vias. “Conversei com alguns e eles se mostraram conscientes em relação ao problema. Mas dizem que não existe local adequado para a prática. Eles falam que deveria ter um lugar seguro em que não houvesse risco à população”, diz.

O Corpo de Bombeiros faz várias recomendações a quem empina pipas. A principal é não utilizar linhas cortantes. Brincar longe de rede elétrica, evitar dias de chuva e lugares movimentados, próximo a passagem de veículos, também minimizam o risco de acidentes.

Quando questionada, a Secretaria Estadual de Defesa Social (SDS) não respondeu sobre a fiscalização. Em nota, disse que "em caso de lesões provocadas pelo uso irregular desse tipo de produto, a Polícia Civil é a instituição competente para investigar e buscar punição para os responsáveis". Solicitou, ainda, a colaboração da população para não "adquirir nem utilizar indevidamente esse tipo de produto perigoso e, caso essa conduta seja detectada, denuncie às forças policiais".

Confira a nota da SDS na íntegra

"A SDS informa que, de acordo com a Lei Estadual Nº 11.931, de 3 de janeiro de 2001, prevê a fiscalização e a instauração de inquérito policial nas situações cabíveis de uso de cerol ou outro material cortante em pipas. Em caso de lesões provocadas pelo uso irregular desse tipo de produto, a Polícia Civil é a instituição competente para investigar e buscar punição para os responsáveis. As polícias solicitam a colaboração da população no sentido de não adquirir nem utilizar indevidamente esse tipo de produto perigoso e, caso essa conduta seja detectada, denuncie às forças policiais."




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM