Jornal do Commercio
Notícia
ARQUEOLOGIA

Novos esqueletos encontrados em cemitério colonial de Abreu e Lima

A necrópole fica nas terras do antigo Engenho Jaguaribe, no Grande Recife, que se manteve em atividade do século 16 ao século 19. Esqueletos serão examinados na UFPE

Publicado em 06/09/2019, às 07h53

Ossadas serão examinadas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) / Foto: Bobby Fabisak / JC Imagem
Ossadas serão examinadas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Foto: Bobby Fabisak / JC Imagem
Cleide Alves
cleide@jc.com.br

Cinco esqueletos humanos completos e várias ossos isolados foram desenterrados na zona rural do município de Abreu e Lima, no Grande Recife. Longe de ser um caso de polícia, os sepultamentos preservam informações que auxiliarão arqueólogos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) a conhecer um pouco mais sobre a história da ocupação de uma das primeiras áreas de povoamento do Litoral Norte do Estado.

As ossadas encontram-se no cemitério do antigo Engenho Jaguaribe, implantado no século 16 e que se manteve em atividade até o século 19, no período colonial brasileiro. Estudos mais simples conseguem estimar sexo, idade e estatura das pessoas enterradas no cemitério colonial, informa Andrea Lessa, professora do Museu Nacional do Rio de Janeiro, que está em Abreu e Lima acompanhando a pesquisa arqueológica desenvolvida pela UFPE.

A datação por radiocarbono, diz ela, pode indicar em que época as pessoas viveram. E a partir da análise dos esqueletos é possível saber o que comiam, doenças que contraíram e o estilo de vida que levavam, acrescenta a arqueóloga, especialista em bioarqueologia com experiência em estruturas funerárias e sepultamentos. As ossadas foram retiradas nessa quinta-feira (5) e transferidos para o câmpus da UFPE na Cidade Universitária, Zona Oeste do Recife, onde serão examinadas.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

De acordo com Andrea Lessa, os esqueletos completos são de adultos e começam a aparecer a 30 ou 35 centímetros do atual nível do solo. “É uma profundidade muito pequena”, observa. Mas levando-se em consideração que houve a abertura de uma estrada nas terras do antigo engenho, a camada de solo sobre os sepultamentos poderia (ou não) ser maior no passado, pondera.

Ritual cristão

Todos foram sepultados no sentido paralelo à entrada da capela do engenho, dedicada a Santo Antônio. “Normalmente, nos enterros eclesiásticos, a orientação da cabeça ou dos pés é voltada para o altar”, relata Andrea Lessa. Os ossos desarticulados do cemitério colonial de Abreu e Lima estão a cerca de um metro de profundidade, são mais antigos e devem ter sido remexidos pelos enterros mais novos (os esqueletos completos). Os pesquisadores recuperaram crânio, mandíbula, fêmur e fragmentos de ossos.

“Encontramos esqueletos com os braços cruzados sobre a pelve, o tronco ou o peito, indicando sepultamento com ritual cristão”, afirma. Não há vestígios de caixões ou de objetos associados às ossadas, como botões, peças de metais e colares. “O caixão surge em meados do século 19 para as famílias de maior poder aquisitivo, por ser um item caro. Inicialmente, servia apenas para o transporte dos corpos, não era usado no enterro”, explica a arqueóloga.



No período histórico e pré-colonial necrópoles não costumavam ter marcação individual para os enterros e a reutilização dos espaços acontecia com frequência, continua Andrea Lessa, que veio a Pernambuco a convite da arqueóloga da UFPE Cláudia Oliveira, coordenadora das pesquisas no Engenho Jaguaribe. A professora do Museu Nacional disse que ainda é cedo para afirmar se as pessoas enterradas seriam escravos ou faziam parte da população livre e pobre.

Engenho Jaguaribe

Cláudia Oliveira realiza escavações no engenho, uma das unidades da Sesmaria Jaguaribe, desde 2015. Por falta de recursos, o trabalho é executado aos poucos, em ações com cerca de 30 dias de duração. Ela descobriu o cemitério colonial de Abreu e Lima em julho do ano passado. Na época, afloraram três esqueletos completos e ossos isolados. “Retornamos em 19 de agosto deste ano para novas escavações e encerraremos essa etapa amanhã (esta sexta-feira, 6)”, diz a arqueóloga da UFPE.

O cemitério fica próximo da porta de entrada da Capela de Santo Antônio, hoje em ruínas. “Ampliamos a escavação para tentar delimitar a área dos sepultamentos. Achamos uma estrutura de pedra calcária que pode ter sido o armazém de açúcar do engenho, o trecho localizado do cemitério encontra-se entre a estrutura e a capela, mas a área escavada ainda é muito pequena”, declara Cláudia Oliveira. Possivelmente há mais esqueletos no terreno.

Formada pelos Engenhos Jaguaribe, Inhamã (Igarassu) e Paratibe, a Sesmaria Jaguaribe ocupava uma área doada por Duarte Coelho, primeiro donatário da Capitania de Pernambuco, a Vasco Fernandes de Lucena em 1540. A pesquisa na região integra o Programa de Preservação Ecológica e Cultural da Sesmaria Jaguaribe, lançado por Cláudia Oliveira em 2005.

O trabalho finalizado nesta sexta-feira (6)  tem apoio do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura), da Prefeitura de Abreu e Lima e do Departamento de Arqueologia da UFPE. Participaram do estudo 15 pesquisadores da equipe permanente e 15 alunos vinculados à graduação e pós-graduação em arqueologia da UFPE, ao Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) e ao Museu Câmara Cascudo (RN) que fizeram um minicurso de escavação de estruturas funerárias conduzido por Cláudia Oliveira, Andrea Lessa e Sérgio Monteiro, coordenador do Laboratório de Arqueologia Biológica e Forense (Labifor) da UFPE.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM