Jornal do Commercio
Notícia
1º LUGAR

Festival O Boi Voador conquista prêmio nacional de turismo

Espetáculo relembra solenidade de abertura da primeira ponte do Recife, no período holandês

Publicado em 05/12/2019, às 09h52

O festival O Boi Voador conquistou o 1º lugar na categoria Melhor Iniciativa de Aproveitamento do Patrimônio Cultural para o Turismo, do Prêmio Nacional do Turismo 2019 / Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
O festival O Boi Voador conquistou o 1º lugar na categoria Melhor Iniciativa de Aproveitamento do Patrimônio Cultural para o Turismo, do Prêmio Nacional do Turismo 2019
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
JC Online

A cidade do Recife obteve, mais uma vez, reconhecimento acerca da sua forma inovadora de recontar a própria história. Nessa quarta-feira (4), o festival O Boi Voador conquistou o 1º lugar na categoria Melhor Iniciativa de Aproveitamento do Patrimônio Cultural para o Turismo, do Prêmio Nacional do Turismo 2019, com edição focada em Iniciativas de Destaque do Ministério do Turismo. A solenidade aconteceu no Palácio das Artes, em Belo Horizonte.

A história do boi voador

A custosa obra da Ponte do Recife, hoje conhecida como Ponte Maurício Nassau, foi inaugurada durante o período holandês após anos de construção e até com recursos pessoais de Nassau. No dia da inauguração do aguardado monumento, 28 de fevereiro de 1644, o conde, de tão satisfeito, prometeu fazer um boi voar sobre a ponte. E, para a surpresa dos muitos presentes, que até pagaram para ver de perto tamanha proeza, ele cumpriu.



Na hora marcada, o desajeitado ruminante alado, feito de couro empalhado, atravessou os céus da colônia, suspenso por cordas e movido por roldanas, levando o público às gargalhadas. Ninguém, no entanto, divertiu-se mais que o próprio Nassau, que apurou, já na inauguração da ponte, o generoso montante de 1.800 florins de pedágio.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM