Jornal do Commercio
Notícia
prévias infantis

Confira as prévias carnavalescas infantis em Olinda e no Recife

No sábado (15) tem Pitombeirinha, Mangue Beatinho e Na Casa da Vovó Tudo Pode, na Cidade Alta de Olinda. No domingo (16) a Fundaj apresenta o bloco Segurando o Talinho

Publicado em 13/02/2020, às 18h37

Rodrigo Costa é fundador e presidente da Pitombeirinha / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Rodrigo Costa é fundador e presidente da Pitombeirinha
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Cleide Alves
cleide@jc.com.br

Atenção, garotada! Sábado (15/02) é dia prévia carnavalesca em Olinda. Capriche na fantasia e escolha a sua turma. Tem a Troça Pitombeirinha dos Quatro Cantos, na Praça do Carmo; o Bloco Mangue Beatinho, no Sítio de Seu Reis; e a Troça Na Casa da Vovó Tudo Pode, na Ribeira. Domingo, a folia será no Recife com a estreia do bloco Segurando o Talinho da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj).

Criada em 2012, a Pitombeirinha aguarda os foliões no Sítio Histórico de Olinda a partir das 9h, mas o cortejo começa às 11h. “Vamos sair da Praça do Carmo, seguir pela Rua do Bonfim, passar pelos Quatro Cantos, descer a Rua Prudente de Moraes e retornar à praça”, avisa Ana Rosa Costa. Ela é mãe do presidente, fundador e porta-estandarte da troça, Rodrigo Monteiro Diniz Costa.

 Mangue Beatinho. Foto: Alexandre Albertim/Divulgação

No mesmo horário, no Sítio de Seu Reis, ao lado da Praça do Carmo, começa a concentração da do Mangue Beatinho, fundado há seis anos por integrantes do Mangue Beat. “Observamos muitos pais levando seus filhos para o bloco, no Sábado de Carnaval, então resolvemos criar um dia específico para as crianças, com mais conforto, durante as prévias, uma semana antes do desfile dos adultos”, relata Jorge Percílio, organizador da festa.

O bloco infantil sai às 10h pela Avenida Liberdade e faz o seguinte trajeto: Rua Prudente de Moraes, Rua Sete de Setembro, Rua de São Bento, Praça Monsenhor Fabrício e Rua 27 de Janeiro, voltando ao Sítio de Seu Reis. “Levamos argila e as crianças se melam como no Mangue Beat, estamos passando costumes”, diz Jorge Percílio. “Por causa do forte calor, não haverá atraso no horário.”



 Na Casa da Vovó Tudo Pode. Foto: Divulgação

Com 15 anos de história, a Troça Na Casa da Vovó Tudo Pode nasceu de uma brincadeira de Carnaval entre vizinhos e reúne a criançada a partir das 9h no Mercado da Ribeira (Rua Bernardo Vieira de Melo). O nome é uma homenagem a Morena, a avó que deixava os netos pintar e bordar na casa dela. “Este ano teremos 20 músicos, que tocam na base da amizade”, diz Robson Leão, genro de Morena e responsável pela troça.

A agremiação infantil desfila pela Rua de São Bento, Rua 27 de Janeiro, Rua do Bonfim, Ladeira da Misericórdia, Quatro Cantos e, novamente, Mercado da Ribeira. “Vamos distribuir, gratuitamente, picolé, água, refrigerante e cachorro-quente para as crianças”, convida o percussionista Robson Leão.

Recife

A Fundaj abre os portões do Museu do Homem do Nordeste, em Casa Forte, na Zona Norte do Recife, para apresentar o bloco Segurando o Talinho no último domingo de prévias carnavalescas, 16 de fevereiro. Com desfile de La Ursa, oficinas de frevo, estandarte e instrumentos musicais, karaokê e visita ao museu, brincadeira faz parte do programa Domingos dos Pequenos do centro cultural.

“Teremos o esquenta do bloco às 8h30 na comunidade Beira-Rio (Rua Aliança, Apipucos) e o Urso Branco Cangaçá, de São Lourenço da Mata, emprestou uma roupa de la ursa que será usada por uma das crianças”, declara a coordenadora de Ações Educativas do Museu, Edna Silva. As inscrições para as oficinas começam às 9h, no museu, e a festa termina às 12h. “É uma atividade de interação do museu com a comunidade”, destaca. Aproveitem as prévias do Carnaval. São todas gratuitas.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM