Jornal do Commercio
CARNAVAL 2018

Aos 40 anos, Galo da Madrugada atrai multidão ao centro do Recife

No desfile de 40 anos, Galo da Madrugada atrai público de todas as idades e muita sátira política e social

Publicado em 10/02/2018, às 14h30

No desfile de 40 anos, Galo da Madrugada foi do tecnobrega à MPB, sem esquecer do bom e velho frevo / Foto: Arnaldo Carvalho/JC Imagem
No desfile de 40 anos, Galo da Madrugada foi do tecnobrega à MPB, sem esquecer do bom e velho frevo
Foto: Arnaldo Carvalho/JC Imagem
JC Online

De crianças a idosos, o Galo da Madrugada mostrou no 40º aniversário que o maior bloco do mundo é para todas as idades, todos os públicos e todas as formas de celebrar o Carnaval. Do tecnobrega de Gaby Amarantos à MPB de Vanessa da Mata, houve espaço para todos os ritmos. Mas foi o frevo que dominou a folia de 30 trios elétricos e arrastou uma multidão às ruas do Recife. Gente que fez valer o espírito dos 70 mascarados que saíram pelo bairro de São José em 1978. Este ano, a majestade foliã abriu espaço para um desfile de fantasias que vão do glitter e unicórnio às críticas do ano político. Mais de 5 mil policiais e bombeiros atuaram na segurança do desfile que só volta em 2019. Mas o Carnaval continua, com o Galo reinando sobre os foliões do Recife.

Veja como foi a cobertura minuto a minuto do SJCC

No ano eleitoral, o folião mostrou que o Galo da Madrugada é para brincar o Carnaval, mas também para fazer sátira política e crítica social. Do problema da febre amarela a uma privada em forma de urna, o recifense aproveitou o festejo para passar o seu recado. A multidão que foi às ruas do Recife pareceu ser bem maior que a de 2017.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Folião do Galo desde que o bloco foi fundado, há 40 anos, o aposentado Luiz Gonzaga Lapenda, de 78 anos, se vestiu do presidente Michel Temer de fraldas. “Eu vim atrás de popularidade, já que a minha está tão baixa. Independente do meu estado de saúde, nada melhor do que o Galo para eu aumentar a popularidade. Ninguém agrada a todo mundo. Mas eu tenho feito de tudo para promover as reformas e fazer o Brasil avançar”, brincou.

O artista Marco Antônio, de 40 anos, se vestiu pela oitava vez como a ex-presidente Dilma Rousseff. “Desde que ela se candidatou, sempre vim como ela. Este ano, fiz esta roupa. Quis mostrar um outro lado da Dilma que as pessoas não falam”, explicou.



A Dilma de Marco fez questão de posar para foto com os “juízes” do grupo “Teje Preso... Teje Solto”, que faz seu 35º desfile no Galo. “Nós sempre trazemos como tema uma sátira da política-econômica. Este ano a gente resolveu homenagear o nosso Judiciário que solta todo mundo. A polícia prende e o juiz solta”, contou o professor Luiz Fernando, de 59 anos.

A pedagoga Lucia Pontes, de 72 anos, vai ao Galo desde que o bloco desfilava de madrugada e, em 2018, se vestiu de “Palhaço do Planalto”. “Desde que o Galo tinha três anos que eu comecei a sair nele. O Galo é especial porque mostra a nossa cultura, o frevo e como a festa é diversificada”, conta.

Fantasias atuais

A historiadora Silvia Couceiro, de 59 anos, e uma amiga foram vestidas “com a macaca” para defender os símios que estão sendo perseguidos por causa dos surtos de febre amarela no País. A engenheira elétrica Gabriela Marques, de 57 anos, e um grupo de colegas de profissão, se vestiram de sol para estimular o uso de energia solar para diversificar a matriz do Nordeste. “A privatização da Eletrobras pode até acontecer, mas o debate precisa ser amadurecido. Tem muitas questões em jogo, como o cuidado com o rio”, sinaliza.

Para representar o Carnaval tradicional, o grupo da servidora pública Ana Catarina de Lucena, de 49 anos, que já desfila há duas décadas, foi caracterizados de Homem da Meia Noite, com dente de ouro e tudo. “Nosso sonho sempre foi homenagear Olinda dentro do Galo da Madrugada. E não há figura mais emblemática do que o Homem da Meia Noite, porque ele encanta todo mundo”, afirmou.



Comentários

Por zilmma santiago,11/02/2018

Que trio sem graça; Vanessa da Mata, Luiza Possi e Nena Quiroga...podem ser muito boas, mas não em cima do trio carnavalesco...Jesus...João do morro animaria mais. Não precisa de uma análise sociológica basta prestar a atenção na hora que fingem "cantar animadas"....alô alô responsáveis pela organização do carnaval revejam os vídeos....e os repórteres que animação sem animação...

Por isilda,10/02/2018

Que gente mal humorada comentando aqui!Parabéns recifenses,belo carnaval,como sempre!

Por eduardo,10/02/2018

muitos anos brincando no galo, mais este ano foi uma negação, multidão de menos este ano, é uma pena.....RECIFE UMA CIDADE IMUNDA, MUITO TRISTEEEEEEEEEEEE

Por leonardo-pe,10/02/2018

Multidão de quantos? até quando essa SAFADA E IMUNDA IMPRENSA RECIFENSE vai continuar MENTINDO? vocês não tem vergonha disso. mas nossa sociedade aplaude vocês de pé. não é a toa que nossa recife é de muito fácil explicação atualmente!

Por Carlos Augusto,10/02/2018

Grande abraço ao povo do Recife. Vivi ai no final da década de 90 e sempre fui muito bem tratado.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM