Jornal do Commercio
Carnaval 2018

Bloco Eu Acho É Pouco desfila contra preconceito no Carnaval de Olinda

Neste ano, a onda vermelha e amarela do Eu Acho É Pouco traz o tema 'Preconceito é uma arma que mata, desarme-se'

Publicado em 10/02/2018, às 17h25

O Eu Acho é pouco, foi fundado em 1976, em Olinda, criado por um grupo de amigos que havia se juntado para curtir a folia e criticar a ditadura militar em vigor no Brasil / Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem
O Eu Acho é pouco, foi fundado em 1976, em Olinda, criado por um grupo de amigos que havia se juntado para curtir a folia e criticar a ditadura militar em vigor no Brasil
Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem
JC Online

O famoso bloco carnavalesco "Eu Acho é Pouco" ganha as ruas de Olinda nesse Sábado de Zé Pereira. Com as cores vermelho e amarelo, o dragão arrasta os foliões da concentração na Praça dos Milagres para desfilar pelas ladeiras da Cidade Alta. Neste ano, o tema do bloco é "Preconceito é uma arma que mata, desarme-se". As fantasias dos foliões dão o colorido no desfile das cores vermelha e amarela do bloco. 

Representando as cores laranja e verde, Emanuela Bezerra, Lorena Lins e outras três amigas foram fantasiadas de Tang para o bloco. “Estamos aqui para pegar o Eu Acho é Pouco. Vimos algumas brigas aqui, mas fora isso está tudo tranquilo em Olinda”, contam as estudantes. As tardes de Carnaval em Olinda são vistas por muitos foliões como a alternativa ao peso das manhãs do Galo da Madrugada. É uma tradição que também se confunde com a história do Eu Acho é Pouco.



O servidor João Victor Rocha, de 34 anos, vai para o Eu Acho É Pouco desde criança. Sua esposa, Ana Karla Vasconcelos, o acompanha há cerca de 10 anos. Mesmo com o pé torcido, ela fez questão de prestigiar a festa. João Victor defende que a postura crítica do bloco é fundamental. A animação e o fato dele reunir pessoas com energia e pensamentos semelhantes é o que o atrai. "Sem Eu acho É pouco não tem Carnaval pra mim", conta João. 


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

História

O Eu Acho é pouco, foi fundado em 1976, em Olinda, criado por um grupo de amigos que havia se juntado para curtir a folia e criticar a ditadura militar em vigor no Brasil. Antes do Eu Acho é Pouco surgir, o grupo de amigos já havia ironizado o período de repressão e restrições à liberdade de expressão com uma brincadeira que pode ser considerada precursora e pioneira - um pequeno bloco chamado Língua ferina.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM