Jornal do Commercio
Carnaval 2018

Ceroula de Olinda desfila em seu 56º Carnaval

A organização do Ceroula estimou um público de 7 mil pessoas

Publicado em 10/02/2018, às 18h25

"A família Ceroula é muito grande. Nós temos 1600 associados, homens e mulheres. É tranquilo fazer a nossa festa", contou o diretor do bloco, Mário Araújo
Foto: Bianca Bion / Especial para o JC Imagem
JC Online

Mesmo saindo no mesmo dia do Galo da Madrugada, a direção do tradicional bloco Ceroula de Olinda estimou a presença de cerca de 7 mil pessoas para prestigiar o bloco, que completa 56 anos neste carnaval. A troça se concentrou no Clube Atlântico e depois seguiu pelas ladeiras da Cidade Histórica.

Conheça a história do Ceroula no seu episódio na série "Carnavais Saudosos"

O diretor do bloco, Mário Araújo, fala com orgulho do público do bloco que foi conquistado ao longo dos anos. "A família Ceroula é muito grande. Nós temos 1600 associados, homens e mulheres. É tranquilo fazer a nossa festa", contou. 



Diferentemente das cores tradicionais azul e branca, o Ceroulas inovou este ano e trouxe o vermelho para abrilhantar sua festa. "De cinco em cinco anos a gente sai de azul e branco e nos outros anos, a gente bota uma cor diferente", explicou o Mário Araújo. 

56 carnavais

O nome ceroula é uma contraposição a outra troça da cidade, o Pijama. É na frente da casa do fundador do bloco, Cabela, que acontece o momento mais importante do desfile da Ceroula, a homenagem a ele. Há cinco décadas, Cabela mora na mesma casa, na Rua 15 de Novembro, via de acesso à Prefeitura de Olinda. O bloco foi criado em 1962 por ele e quatro amigos.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM