Jornal do Commercio
Carnaval

Frevo reina absoluto no dia em que completou 112 anos

Blocos, agremiações e orquestras arrastaram foliões em vários pontos. O ritmo genuinamente pernambucano predominou

Publicado em 09/02/2019, às 19h43

Paço do Frevo, que completou cinco anos de funcionamento neste sábado, recebeu mais de mil visitantes / Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Paço do Frevo, que completou cinco anos de funcionamento neste sábado, recebeu mais de mil visitantes
Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Da Editoria de Cidades

Não podia ser diferente. No dia em que o frevo comemora 112 anos, foi ele quem reinou no Recife e em Olinda. Blocos, agremiações e orquestras arrastaram foliões em vários pontos. O ritmo genuinamente pernambucano predominou. No Bairro do Recife, Centro da capital, o Paço do Frevo ficou lotado neste sábado. Recebeu, somente ontem, mais de mil visitantes, muitos deles à tarde, quando a programação festiva oficial começou. Os bairros de São José e de Santo Amaro, na área central, também comemoraram o frevo. Em Olinda, o Bloco Eu Acho É pouco foi uma das principais atrações, realizando, pela primeira vez em muitos anos, o baile pré-carnavalesco gratuito, na Praça do Carmo, no Sítio Histórico

Amo o frevo e hoje, no dia dele, não poderia deixar de estar aqui, de homenageá-lo. Defendo que o ritmo seja mais tocado, inclusive durante todo o ano"

André Carvalho, professor de educação física

No Paço do Frevo, reduto do ritmo, as comemorações foram comandadas pela Transversal Frevo Orquestra, de César Michiles, filho do compositor Jota Michiles. O público que acompanhou o evento caiu no passo, de fato. Jovens, idosos e crianças tomaram o terceiro andar do museu. Antes da orquestra, tiveram apresentações do Recicoral, do Frevo Cinquentão, com o professor Otávio Bastos, e o Vivencias de Dança, do professor Júnior Viegas. “Amo o frevo e hoje, no dia dele, não poderia deixar de estar aqui, de homenageá-lo. Defendo que o ritmo seja mais tocado, inclusive durante todo o ano. Sou professor de educação física e costumo usá-lo nas minhas aulas. Além de preencher a alma, ele é um excelente condicionador físico”, defende André Carvalho, um dos mais animados durante as apresentações no Paço do Frevo.



HISTÓRIA

O frevo é um manifesto popular marcado pela ocupação das ruas, da resistência e luta das classes menos favorecidas. A trajetória que formou o que hoje conhecemos mais como um ritmo, vai além de um estilo musical de compasso binário e andamento rápido. A palavra remete a um movimento social que refletiu, ao longo de mais de um século, a situação social vivida nos centros urbanos do Recife e Olinda. Datado em 9 de fevereiro, o aniversário do frevo surgiu após convenção de intelectuais, historiadores e poder público, que reconheceram oficialmente a primeira aparição do frevo no Jornal Pequeno, em 1907. Mesmo assim, o movimento cultural já existia antes da divulgação no jornal.

Segundo a Fundação Joaquim Nabuco, o processo de gestação do frevo remete a muito antes disso. Vem do século 19, sobretudo da década de 80 e 90, período de muitas transformações políticas, econômicas e sociais, com o fim da escravidão, o advento da República e a formação de uma classe trabalhadora.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM