Jornal do Commercio
Festão no Sertão

Ao som de frevo, Zé Pereira comemora 100 anos no Sertão

Orquestras de frevo e maracatus rurais animaram a celebração, que seguiu pela noite e madrugada

Publicado em 11/02/2019, às 07h20

A festa contou com artistas circenses em cima de pernas de pau / Foto: Guga Matos/ Setur
A festa contou com artistas circenses em cima de pernas de pau
Foto: Guga Matos/ Setur
RENATA MONTEIRO

A cidade de Belém do São Francisco, no Sertão pernambucano, parou nesse domingo (10) para despedir-se do gigante mais antigo do Carnaval do País, Zé Pereira, que nasceu há exatos 100 anos no município. Ladeado pela esposa, Vitalina, o boneco de quase cinco metros de altura embarcou para o Recife, onde deve chegar no dia 27 de fevereiro para mais uma festa em homenagem ao seu centenário.

No fim da tarde do domingo, às margens do Velho Chico, artistas circenses em cima de pernas de pau convocavam os belenenses a darem adeus aos bonecos Zé Pereira e Vitalina – criados a partir de uma tradição europeia –, que deixariam a cidade naquela ocasião. Orquestras de frevo e maracatus rurais animaram a celebração, que seguiu pela noite e madrugada.

Festa

Promovida pelo Governo do Estado, através da sua Secretaria de Turismo e Lazer, a ação em Belém do São Francisco visa a descentralização da Folia de Momo em Pernambuco, promovendo a interiorização dos festejos.



“Queremos mostrar como o Carnaval pernambucano é forte também no interior; vai muito além da festa em Olinda e no Recife. Muita gente desconhece que a tradição dos bonecos gigantes nasceu aqui em Belém do São Francisco, em pleno Sertão. Não podíamos deixar passar em branco este centenário de Zé Pereira”, destacou o titular da pasta, Rodrigo Novaes.

A programação da festa no Recife ainda não foi divulgada, mas sabe-se que o casal mais longevo do Estado será recebido pelos gigantes de Olinda e da capital pernambucana ao som de muito frevo. Depois disso, retornam para casa, onde passarão todo o período momesco. “Belém, que é a terra da manga, das ilhas fluviais do São Francisco, está de parabéns por manter acesa a tradição dos bonecos, a autenticidade do nosso Carnaval”, pontuou Novaes.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM