Jornal do Commercio
RESISTÊNCIA

Blocos levam debates sobre empoderamento feminino para o Carnaval 2020

Na época do ano em que os casos de assédio contra mulheres aumentam, blocos falam sobre feminismo nas ruas

Publicado em 14/02/2020, às 23h12

Essa fada tem festa gratuita neste sábado (15), no Poço da Panela / Foto: Priscilla Buhr/ Divulgação
Essa fada tem festa gratuita neste sábado (15), no Poço da Panela
Foto: Priscilla Buhr/ Divulgação
Amanda Rainheri

Mais do que apenas festa, Carnaval também é sinônimo de luta e resistência. Na época do ano em que os casos de assédio contra mulheres aumentam, foliões e poder público assumiram a missão de levar informação e mensagens de empoderamento feminino para as ruas e ladeiras dos principais polos da folia em Pernambuco.

Há 19 anos, a prefeitura da capital, através da Secretaria da Mulher, leva às ruas do Recife Antigo o bloco Nem Com Uma Flor. O desfile é um grito contra a violência que atinge as mulheres. “Ele sai sempre na quinta-feira que antecede o Carnaval, é como se fosse um abre-alas para avisar a cidade e os foliões que as mulheres têm direitos e tem que ter o corpo preservado”, afirma a secretária da pasta, Cida Pedrosa.

A festa está marcada para próxima quinta-feira, às 15h, na Praça do Arsenal. É nesse horário que sobe ao palco a estrela da campanha deste ano do ‘Manual de como não ser um babaca no Carnaval’, a cantora Gretchen. O bloco contará com a participação das cantoras Gabi da Pele Preta e Cilene Araújo, a apresentação das Sereias Teimosas, do Pina, e do grupo de dança Coco do Baobá, da Mustardinha. Tudo isso animado pela Orquestra 100% Mulher e Maracatu Baque Mulher e acompanhado de perto pela boneca A bela da tarde.

As homenageadas deste ano são são Joana Batista (uma das compositoras da letra do frevo Vassourinhas), a artista Aurinha do Coco e Irani Brito, uma das fundadoras da Associação de Mulheres de Lagoa Encantada. “Nosso objetivo é valorizar a luta das mulheres, dizer que o nosso corpo é nosso e não pode sofrer agressão.



Empoderamento

Empoderar mulheres também foi o que levou um grupo de amigas a criar, há seis anos, o bloco Essa Fada. De lá pra cá, já foram abordadas diversas temáticas relacionadas à realidade enfrentada pelas mulheres. “Já falamos sobre liberdade sexual, assédio, empoderamento de diversos tipos, padrões impostos aos corpos e este ano resolvemos falar sobre a maternidade. o Essa Fada é o Carnaval que discute”, afirma a jornalista Joana Aquino, uma das fundadoras do bloco.

A sexta edição acontece neste sábado (15) na Casa Astral, no Poço da Panela, Zona Norte da capital, a partir das 15h, com espaço para mães e filhos curtirem juntos a folia. “Escolhemos este tema pensando nas exclusões e nos julgamentos que passa a mulher que é mãe”, contou a jornalista. Mas o Essa Fada também marcará presença durante os dias oficiais da folia de Momo, desta vez em Olinda. A agremiação desfila com seu estandarte junto ao bloco Siririx na terça-feira, a partir das 8h30, pela Cidade Alta. “É o nosso primeiro ano, uma união de forças com outros blocos que tratam de empoderamento.”

Quem também tem encontro marcado nas ladeiras olindenses na festa de Momo é o bloco Vacas Profanas. Em 2015, a produtora Dandara Pagu criou uma fantasia inspirada na música que dá nome ao bloco, de Caetano Veloso e Gal Costa. Saiu com saia de estampa de vaca e os seios à mostra. Foi, então abordada por policiais. Dandara questionou se os homens que estavam ali teriam o mesmo tratamento. Se sentindo violentada, ela encontrou em outras mulheres apoio e acolhimento de outras mulheres e, assim, acabou criando o bloco, celebrando as vidas das mulheres, das pessoas negras e LGBTQI+.

Para realizar a edição deste ano, o grupo criou uma vaquinha online. Quem quiser contribuir com o desfile, pode acessar o site https://www.vakinha.com.br/vaquinha/bloco-vacas-profanas-2020 e fazer uma contribuição de qualquer valor.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM