Jornal do Commercio
REAJUSTE

Aumento da tarifa dos ônibus no Grande Recife pode ser aprovado sexta

Enquanto o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE) defende aumento da ordem de 16,18%, o governo do Estado deve levar para a mesa de negociações proposta de reajuste de 7,07%

Publicado em 23/01/2019, às 07h25

O último reajuste no Estado aconteceu em janeiro de 2017 / Foto: Felipe Ribeiro/ JC Imagem
O último reajuste no Estado aconteceu em janeiro de 2017
Foto: Felipe Ribeiro/ JC Imagem
AMANDA RAINHERI
amanda_rainheri@hotmail.com

A próxima semana deve começar com tarifas de ônibus mais caras na Região Metropolitana do Recife (RMR). Isso porque está marcada para a manhã de sexta-feira (25) a reunião do Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM) que deve colocar o reajuste em pauta. Enquanto o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE) defende aumento da ordem de 16,18%, o governo do Estado deve levar para a mesa de negociações proposta de reajuste de 7,07%. Na prática, o Anel A, o mais utilizado pelos passageiros, pode passar a custar R$ 3,70 no primeiro cenário e R$ 3,45, no segundo.

O último reajuste no Estado aconteceu em janeiro de 2017. Ano passado, organizações da sociedade civil conseguiram liminar na Justiça, alegando irregularidades no processo de justificativa do aumento. O impasse jurídico durou até a última semana, de acordo com o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação de Pernambuco, Marcelo Bruto. Nos bastidores, o que se diz é que o governo evitou o embate e o desgaste político proveniente de uma medida impopular no ano em que o governador Paulo Câmara tentava a reeleição.

Em nota, a Urbana-PE afirmou que o reajuste é “urgente” e tem como objetivo “evitar o iminente colapso dos serviços” no sistema de transporte público de passageiros da RMR. As empresas afirmam que a tarifa praticada atualmente na Região Metropolitana do Recife é uma das menores do País e justificam o reajuste a partir do aumento dos custos da atividade e da diminuição da demanda do setor. Se aprovada, a proposta deve elevar os valores dos anéis A e B, os mais utilizados, para R$ 3,70 e R$ 5,10, respectivamente.



PROPOSTA DO GOVERNO

Historicamente, os reajustes aprovados são mais próximos daqueles propostos pelo Estado. Na sexta-feira, o Grande Recife Consórcio de Transporte vai defender o aumento de 7,07% da passagem. “Um estudo é feito todos os anos, com base na avaliação dos principais insumos do setor. A proposta atual considera o período que vai de novembro de 2016 a dezembro de 2018. Esse reajuste é um pouco menor do que o IPCA (índice que mede a inflação) no período, que foi de 7,12%”, justifica Marcelo Bruto. Entre os insumos que ficaram mais caros estão o óleo diesel, pneus e os veículos. Além disso, houve aumento salarial de motoristas. Tudo aliado à queda no número de passageiros pagantes do sistema, de 12,02% no período.

Se aprovada, a proposta do governo eleva para R$ 3,45 o Anel A; R$ 4,70 o B e R$ 2,25 o G. O Anel D deixa de existir e as quatro linhas que o compõem passam a ter a tarifa A. O Estado ainda promete renovar 655 veículos da frota.

A reunião do CSTM acontecerá na sede da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação, na Iputinga, Zona Oeste do Recife, e tem duas convocações: a primeira às 8h e a segunda às 8h30. A mudança no valor deve vigorar a partir de domingo.
O conselho é formado por 24 representantes do Estado, dos municípios que compõem o Consórcio (Olinda e Recife), do Legislativo (estadual e de ambos os municípios), empresários, usuários e rodoviários. Além do presidente, Marcelo Bruto, os outros 23 assentos são ocupados por 12 representantes do poder público e 11 da sociedade civil.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM