Jornal do Commercio
Notícia
Atropelamento

Militar que atropelou cadeirante na Agamenon Magalhães vira réu

O caso aconteceu em junho deste ano

Publicado em 12/09/2019, às 11h34

Ivanice, de 67 anos, atravessava a Avenida, na faixa de pedestre, quando o carro conduzido por Paulo ultrapassou o sinal vermelho e atropelou a idosa / Foto: Reprodução
Ivanice, de 67 anos, atravessava a Avenida, na faixa de pedestre, quando o carro conduzido por Paulo ultrapassou o sinal vermelho e atropelou a idosa
Foto: Reprodução
JC Online

O subtenente do Exército, Paulo Bezerra Cavalcanti Júnior, se tornou réu pelo crime de homicídio qualificado, devido à morte da cadeirante Ivanice Félix da Silva. O caso aconteceu no dia 13 de junho, na Avenida Agamenon Magalhães, no cruzamento com a Rua Paissandú, no bairro da Ilha do Leite, área Central do Recife. Ivanice, de 67 anos, atravessava a Avenida, na faixa de pedestre, quando o carro conduzido por Paulo ultrapassou o sinal vermelho e atropelou a idosa. Ela não resistiu aos ferimentos e morreu no local da colisão.

De acordo com nota enviada pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), o órgão aceitou denúncia do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). "O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) informa que o juízo da Primeira Vara do Tribunal do Júri da Capital aceitou a denúncia do Ministério Público do Estado de Pernambuco, que aponta Paulo Bezerra Cavalcanti Junior como autor do crime de homicídio qualificado, de acordo com o art. 121, §2º, inciso IV do Código Penal Brasileiro (CPB), tendo como resultado a morte de Ivanice Félix da Silva. A decisão foi exarada na sexta-feira, 06 de setembro de 2019", diz o órgão.



Militar teve CNH suspensa

Um mês após o atropelamento, o juiz da 11ª Vara Criminal da Capital determinou a suspensão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do militar. De acordo com o magistrado Laiete Jatobá Neto, à época da decisão, havia elementos que apontam a autoria do crime. "Analisando cuidadosamente o conjunto indiciário, cuido haver elementos suficientes que apontam que o investigado avançou um semáforo fechado para o condutor, em alta velocidade, quando havia pedestres, inclusive concluindo a travessia do lado direito para o esquerdo (oeste-leste), mesmo sentido observado pela vítima fatal, que fazia uso de uma cadeira".




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();