Jornal do Commercio
Justiça

Seis suspeitos viram réus no caso do promotor morto em Itaíba, no Agreste

Denúncia do Ministério Público Federal (MPF) foi recebida nesta quinta pela 36ª Vara Federal em Pernambuco

Publicado em 15/01/2015, às 23h53

Entre os réus está José Maria Pedro Rosendo, apontado como o mandante do crime / Foto: Rodrigo Carvalho/JC Imagem
Entre os réus está José Maria Pedro Rosendo, apontado como o mandante do crime
Foto: Rodrigo Carvalho/JC Imagem
Do JC Online

Seis suspeitos se tornaram réus no caso da execução do promotor de Justiça Thiago Faria Soares, de 36 anos, em Itaíba, Agreste do Estado, em outubro de 2013. A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) foi recebida nesta quinta-feira (15) pela 36ª Vara Federal em Pernambuco. O homicídio teve grande repercussão no Estado, ganhando destaque pelas brechas deixadas durante as investigações, que fizeram com que a Polícia Federal assumisse o caso em agosto do ano passado.

Na denúncia, José Maria Pedro Rosendo Barbosa, José Maria Domingos Cavalcante, Antonio Cavalcante Filho, Adeildo Ferreira dos Santos e José Marisvaldo Vitor da Silva são colocados como réus pelos crimes de homicídio doloso contra o promotor e tentativa de homicídio de Misheva Freire (noiva da vítima) e Adauto Martins (tio de Misheva). O sexto réu, Genessy Carneiro de Andrade, responderá pelo crime de favorecimento pessoal. Ainda não há data para a primeira audiência com os réus ou para a fase de pronúncia para, só então, ser estabelecido o Tribunal do Júri.

O crime aconteceu no dia 14 de outubro de 2013. Thiago Faria foi morto a tiros de espingarda calibre 12 na PE-300. O promotor conduzia o carro levando a noiva, Misheva Freire no banco do carona e Adauto Martins no banco traseiro, quando foi interceptado por um Corsa de onde partiram os disparos. Os dois passageiros conseguiram pular do veículo e não se feriram. O promotor morreu na hora.



Durante as investigações, o fazendeiro José Maria Pedro Rosendo foi apontado como o mandante do crime. A motivação para a execução teria sido a disputa de terras com Misheva, que arrematou a fazenda de Rosendo em leilão supostamente com a ajuda de uma possível influência da vítima. O fazendeiro, no entanto, sempre alegou inocência.

“A partir de agora vamos continuar lutando para provar a inocência de José Maria Pedro. Durante as investigações, a defesa não tem voz nem vez, mas agora, na Justiça, podemos questionar várias pontos. A polícia se baseou o tempo todo em uma só versão e só encontrou os personagens para dar base. Mas não há nada que comprove o envolvimento dele no crime”, avalia Leandro Ubirajara, advogado do principal acusado.

A Polícia Federal chegou a investigar a possibilidade de crime passional, envolvendo a Misheva e um ex-noivo, mas acabou se concentrando na motivação da disputa de terras, razão apontada pela Polícia Civil, primeira a investigar o crime.

Palavras-chave




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM