Jornal do Commercio
Patrimônio

Sítio Histórico de Olinda está com duas igrejas e o seminário interditados

As edificações foram fechadas pela Defesa Civil porque correm o risco de desabar

Publicado em 29/05/2015, às 08h08

Piso da Igreja de Nossa Senhora da Graça dilatou e se quebrou em Olinda / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Piso da Igreja de Nossa Senhora da Graça dilatou e se quebrou em Olinda
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Cleide Alves
cleide@jc.om.br

Depois da interdição da Igreja do Bonfim, no Sítio Histórico de Olinda, o Seminário e a Igreja de Nossa Senhora da Graça fecharam as portas ao público, por determinação da Defesa Civil do município. O motivo é o de sempre: risco de desabamento em função de avarias generalizadas do chão ao teto. Agora, são três os monumentos religiosos com visitação proibida na cidade considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Mas o número pode subir para quatro, avisa o arcebispo de Olinda e Recife, dom Antônio Fernando Saburido. Na manhã de quinta-feira (28), ao anunciar a interdição do seminário e da Igreja da Graça, localizados no Alto da Sé, ele disse que pediu à Defesa Civil vistoria na Igreja de São Pedro Mártir. “O telhado cedeu e a cobertura do prédio está solta. Por segurança, nem se toca mais o sino”, diz a coordenadora de projetos de restauro da arquidiocese, Telma Liége.

Dom Fernando recebeu prazo de 15 dias para desocupar o seminário, onde vivem 64 seminaristas, dois padres e o bispo auxiliar. Com exceção do bispo, os demais religiosos serão transferidos para o Centro de Pastoral Dom Vital, no bairro da Várzea, Zona Oeste do Recife. “Vamos fazer a mudança em oito dias”, afirma o arcebispo.

Construído no século 16, o Seminário de Olinda, onde funciona a Igreja da Graça, apresenta problemas na madeira do telhado e no piso da biblioteca, umidade nas paredes e rachaduras graves na fachada voltada para o mar, apontados no relatório da Defesa Civil. O piso da igreja, no trecho onde eram feitos sepultamentos, em anos passados, foi dilatado pelo calor ou por gás.

O superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Frederico Almeida, disse que vai autorizar a captação de R$ 4,7 milhões pela Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet), para obras emergenciais. A Arquidiocese deverá ir em busca da verba. “Vamos apelar aos empresários, quem puder ajudar pode ligar para o número 3271-4270. O valor é deduzido no Imposto de Renda”, declara dom Fernando. A obra completa está avaliada em R$ 16 milhões.



A edificação passou por obra de restauração na década de 70, executada pelo Iphan. A última intervenção (pequenos reparos) foi realizada pela arquidiocese, em 2005. Com relação às Igrejas do Bonfim (interditada desde fevereiro de 2012) e de São Pedro, dom Fernando disse que iria captar recursos pela Lei Rouanet para fazer a obra, mas os monumentos foram contemplados com verba do PAC Cidades Históricas, programa do governo federal.

“Pagamos os projetos arquitetônicos, abrimos mão da captação de verba pela Lei Rouanet e até agora nada foi feito”, destaca. O Iphan justifica a demora com a burocracia inerente ao serviço público. “Estamos encontrando dificuldades para atender as regras de controle orçamentário, que estão mais rigorosas”, diz Frederico Almeida. Ele cita como exemplo a cotação de preço para um carpinteiro de obra de restauração. “É um trabalho diferenciado e não está tabelado, como o carpinteiro de forma de concreto”, compara.

É uma vergonha com o patrimônio tombado

diz a moradora do Sítio Histórico Christiani Gondim

Enquanto isso, parte do forro da Igreja do Bonfim desabou e destruiu o altar. A Arquidiocese está retirando as imagens de santos e outros bens móveis do templo e guardando no Museu de Arte Sacra, na Sé, onde ficarão expostos. “É uma vergonha com o patrimônio tombado. O que custa subir no edifício e consertar as telhas?”, critica Christiani Gondim, moradora de uma casa ao lado da igreja.

Carlos Marinho, outro vizinho da Igreja do Bonfim, fotografou os estragos no prédio e disse que as últimas chuvas devem ter piorado a situação. “É um escândalo. A igreja está fechada há três anos, cheia de lixo e poeira, e não fizeram nada, é um descaso sem tamanho, uma ameaça ao título de Patrimônio da Humanidade”, afirma o morador da Cidade Alta.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM