Jornal do Commercio
beira-rio

Uma via-parque nas Graças

Prefeitura do Recife acata proposta de moradores e substituirá projeto de corredor expresso por uma avenida local com área de lazer

Publicado em 10/06/2015, às 08h03

Vários imóveis ocuparam área pública na margem do rio, dificultando a execução do projeto / Foto: Bernardo Soares/ JC Imagem
Vários imóveis ocuparam área pública na margem do rio, dificultando a execução do projeto
Foto: Bernardo Soares/ JC Imagem
Margarette Andrea
margarettea@gmail.com

Previsto para entrar em obra em agosto de 2014, o trecho da Avenida Beira-Rio entre as Pontes da Capunga, no Derby, e da Torre, no bairro das Graças, Zona Norte do Recife, será reapresentado à Caixa Econômica Federal (CEF), até o próximo mês, com um novo conceito. Em vez de um corredor expresso de quatro faixas, a proposta atual é de uma via com aspecto de parque. São duas faixas, com fluxo para uma ponte ou outra (mas não duplo) voltadas para o tráfego local. A ideia é integrar mais a via ao rio, compartilhando o espaço com ciclovia, mirante e passarela de pedestres – propostas herdadas do Projeto Parque Capibaribe.

O secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos do Recife, Víctor Vieira, explica que as mudanças se deram a partir de conversas com moradores do bairro das Graças, via a associação local. “Eles gostaram muito do conceito do Parque Capibaribe, de uma cidade mais voltada para o rio e deram uma série de contribuições. Junto à Secretaria de Meio Ambiente, estamos concluindo o projeto executivo para ser aprovado pela CEF e até o fim do ano devemos licitar e talvez até iniciar o serviço”, afirma.

Conforme o gestor, os R$ 57,5 milhões assegurados em 2014 para a obra, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), continuam disponíveis. “O valor deve cair um pouco porque reduzimos o número de vias e a proposta tem tudo para ser aprovada, pois além de mais barata, é mais sustentável e inovadora. Várias cidades do mundo estão retirando os veículos das margens dos rios. Na Beira-Rio, avaliamos a possibilidade de trechos serem usados apenas para o lazer, nos finais de semana.”

Na proposta inicial, a prefeitura contabilizava 16 desapropriações. Dois prédios – os Edifícios Príncipe de Provence e Avis Liberta – precisariam de ajustes. No primeiro, a área de lazer ocupou a margem do rio. O outro prédio não só foi construído muito próximo ao leito, mas também murou área nas margens e transformou o local em estacionamento privativo.



O secretário diz não saber, ainda, dimensionar essa questão no projeto atual. “Estamos tentando evitar ao máximo as desapropriações e as interferências na área”, limita-se a explicar. Confirma, apenas, que onde hoje funciona o estacionamento do Centro Universitário Maurício de Nassau, no pé da Ponte da Capunga, será implantada a via. “Aquilo ali é um espaço público”, afirma.

A presidente da Associação dos Moradores das Graças, Lúcia Moura, informa que já está marcada reunião para reapresentação do projeto no próximo dia 18, no Palácio do Bispo, às 19h. “O ideal seria não ter carro nenhum ali. Não aguentamos mais tanto trânsito, mas a mudança atende às necessidades dos moradores, pois é uma obra mais humana”, salienta. Segundo ela, a comunidade aguarda ansiosa a conclusão do processo. “Acertamos isso em maio do ano passado e só agora estamos retomando o contato.”


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Enquanto a Beira-Rio não sai, o trecho próximo à Ponte da Torre é usado como depósito de lixo, estacionamento e abrigo para moradores de rua. Veículos da área “cortam caminho” pela terra batida e reclamam do descaso. “Carroceiros depositam lixo aqui todos os dias, inclusive a pedido de donos de restaurantes. É revoltante”, diz o motofretista Clóvis de Almeida.

JC-CID0610_OKA01_BEIRARIO-Web



OFERTAS

Especiais JC

Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.
Mãe Guerreira Mãe Guerreira
Junto com uma criança, nasce sempre uma mãe, que enfrenta inúmeros desafios para educar, acolher e dar o melhor aos filhos. Por isso, todas elas carregam em si a força e a coragem de verdadeiras guerreiras.
JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM