Jornal do Commercio
SAÚDE MENTAL

Transtornos psicológicos que atingem PMs têm graves consequências à sociedade

Depressão, síndrome de pânico, alcoolismo e uso de drogas ilícitas levam policiais militares do Estado a licenças e afastamentos, em tratamentos que não têm tempo certo para terminar

Publicado em 05/12/2018, às 08h28

Por ano, entre 30 e 40 servidores, em média, são afastados das atividades de rua devido a problemas como depressão, síndrome de pânico, alcoolismo e uso de drogas ilícitas / Foto: Filipe Ribeiro/JC Imagem
Por ano, entre 30 e 40 servidores, em média, são afastados das atividades de rua devido a problemas como depressão, síndrome de pânico, alcoolismo e uso de drogas ilícitas
Foto: Filipe Ribeiro/JC Imagem
Felipe Vieira

Os transtornos psicológicos que atingem policiais militares também têm um custo à sociedade (além, claro, de a eles mesmos): por ano, entre 30 e 40 servidores, em média, são afastados das atividades de rua devido a problemas como depressão, síndrome de pânico, alcoolismo e uso de drogas ilícitas. A depender da gravidade, o militar pode ser dispensado ou obter uma licença. No primeiro caso – quando o transtorno é leve – passa a realizar apenas atividades administrativas. No segundo, é afastado de qualquer função pelo tempo que durar o tratamento, muitas vezes sendo necessário medicamentos e internação em unidade hospitalar da corporação. 

De janeiro a novembro deste ano, 345 profissionais tiveram algum tipo de atendimento – de uma simples orientação à internação – no Núcleo de Apoio ao Dependente Químico (Nadeq) da Polícia Militar, no bairro do Derby, área central do Recife. É na entidade que se encontram aqueles militares que conseguiram vencer o próprio preconceito e procurar ajuda. Atualmente, 32 deles estão sendo acompanhados na luta diária contra os “inimigos” dentro da própria mente.

PM que atirou contra filhos já passou pelo tratamento, mas desistiu

Nas dependências do Nadeq esteve, por duas ocasiões, o sargento Moisés de Lima Carvalho, 49 anos, que, no último domingo pela manhã, atirou nos dois filhos durante uma discussão regada a bebida – Diego Carvalho, 24 anos, o caçula, acabou faleceu na tarde do mesmo dia. O primeiro tratamento contra o alcoolismo durou pouco menos de um ano. “Ele saiu bem daqui e obteve alta médica para voltar a trabalhar”, explica a coronel Valdenise Salvador, que coordena o Centro de Assistência Social (CAS) da PM. Mas, este ano veio uma recaída, e Moisés foi novamente afastado das ruas e encaminhado ao Nadeq. Desta vez, não ficou dez dias sob os cuidados de psicólogos, assistentes sociais e instrutores da corporação. “Ele desistiu, parecia não querer o tratamento. Gritava com os colegas assistidos”, comenta um policial que se trata da dependência em cocaína.

Para os que persistem na luta contra o vício e a depressão, a rotina no Nadeq conta com atividades artísticas, palestras, exercícios físicos e ajuda a outras instituições. “Esse apoio foi muito importante pra mim. Imagina, ser afastado do trabalho por causa de bebida e não ter onde se tratar?”, comenta outro PM, já reformado, que lutou por 20 anos contra a dependência e está uma década sem beber. 



Segundo a coronel Valdenise Salvador, muitos policiais que chegam ao núcleo – espontaneamente, por pressão das famílias ou por ordem expressa dos superiores – passam por um período de desintoxicação em um hospital para poderem iniciar o tratamento. Ela reitera que não há qualquer dificuldade para que um PM com transtornos seja atendido no sistema da corporação. “Não há fila de espera. É chegar e iniciar o tratamento.”

O diretor da Associação dos Praças de Pernambuco (Aspra), José Roberto Vieira, rebate a afirmação. “Nos chegam muitas denúncias de dificuldades para esse tipo de atendimento.” A entidade pretende levar ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) um pedido de investigação das condições do serviço psicossocial da corporação.

O secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, considera que o governo desafogou o sistema de atendimento psicológico da PM. “Havia um gargalo na estrutura, pois até 2016 existia apenas um centro de assistência social no Recife. Isso exigia longos deslocamentos para militares de outras áreas”, explica. Segundo ele, em dois anos, foram implantadas três unidades no interior – Serra Talhada e Petrolina, no Sertão, e Caruaru, no Agreste. “Será inaugurado um novo centro em Garanhuns, no fim deste mês, e outro em Nazaré da Mata, na Zona da Mata, em 2019”. Para ele, é necessário que a categoria vença a relutância em procurar ajuda. “Os policiais são chamados para prevenir e mediar situações de violência em decorrência do abuso de drogas, álcool e outros transtornos psicossociais. É preciso quebrar o preconceito e a estigmatização”. Quem conseguiu – como o PM que está há dez anos sem ingerir bebida alcoólica – sabe o custo de viver livre do vício. “Eu só não posso voltar para a barraca. O resto, tudo certo.”



Comentários

Por juju todynho,05/12/2018

isso não é pohha de transtorno, isso é falta de carater, faz bosta e depois quer pagar de doido

Por Luciano,05/12/2018

Comigo foi diferente, passei 12 longos anos em tratamento no gabinete de Psiquiatria, por depressão e mesmo assim (Onde fui diagnosticado com mudança duradoura da personalidade, que por conta disso fui reformado), o meu tratamento não foi acolhido por um Coronel perseguidor implacável da Corregedoria que me expulsou sem dor nem piedade, siquer pediu um parecer Psiquiátrico para saber se o meu Psiquiatra era de acordo com esta punição. Fui expulso em agosto, e hoje espero uma decisão da Justiça Militar para anular o efeito da minha expulsão arbitrária. Até documentar através de serviço de inteligência uma possível homossexualidade de minha parte documentaram, está dentro do meu processo. E por mais que eu me defende-se afirmando que sou hetero, não teve jeito fui expulso. Já procurei os Direitos Humanos do Estado da Polícia Militar e do Governo do Estado, e não obtive apoio. Apenas me viraram as costa. Só me restando contar com a ajuda da Justiça Militar. Bem como me orientaram a procurar os Direitos Humanos da AOB/PE. Também passei pelo NADEQ.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM