Jornal do Commercio
luto

Morre, aos 80 anos, a historiadora e educadora Marieta Borges

Como historiadora, Marieta Borges escreveu a mais completa obra sobre o arquipélago de Fernando de Noronha. Ela faleceu neste domingo (15)

Publicado em 15/12/2019, às 12h24

Além do trabalho como historiadora, Marieta dedicou a sua vida profissional à educação / Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem
Além do trabalho como historiadora, Marieta dedicou a sua vida profissional à educação
Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem
JC Online

A educadora, historiadora e poetisa Marieta Borges Lins e Silva faleceu neste domingo (15), aos 80 anos, vítima de câncer, no Hospital Memorial São José, no Recife. Ex-secretária de Educação e também de Cultura de Olinda, Marieta era a responsável pelo resgate documental da história do arquipélago de Fernando de Noronha. O velório será nesta segunda-feira (16), a partir das 7h, na Igreja do Carmo, em Olinda, e será aberto. Às 11h será celebrada uma missa. Já o sepultamento será às 14h na Ordem Terceira da Igreja de São Francisco, também no Sítio Histórico, reservado à família e aos amigos mais próximos. 

A historiadora Marieta Borges escreveu a mais completa obra existente sobre o arquipélago de Fernando de Noronha. O livro “Fernando de Noronha, Cinco Séculos de História” foi lançado inicialmente numa edição comemorativa pela Companhia Energética de Pernambuco e depois republicado, de forma ampliada, pela Editora Universitária da Universidade Federal de Pernambuco. Com quase 600 páginas, a obra detalha não só as belezas naturais mas também toda a história do conjunto de ilhas que já foi presídio, base de guerra, destacamento militar, território nacional e atualmente é distrito estadual de Pernambuco. O administrador do distrito de Fernando de Noronha, Guilherme Rocha, decretou luto oficial por três dias na ilha.

Leia mais:

Paulo Câmara expressa pesar pela morte da historiadora Marieta Borges

A história de Fernando de Noronha em livro de Marieta Borges

Educadora, historiadora e pesquisadora, Marieta Borges fala de suas muitas paixões

Marieta Borges, a sabe-tudo de Noronha

Foi em 1974 que Marieta iniciou sua pesquisa sobre o Noronha. A princípio seu objetivo era subsidiar as aulas de história dos professores da Escola Arquipélago. Aos poucos apaixonou-se de tal forma pelo lugar ­que mergulhou a fundo no levantamento, reuniu imagens e documentos até na Torre do Tombo, em Portugal; entrevistou ex-presos políticos, antigos moradores e pessoas que serviram na ilha. O projeto de pesquisa contou com o apoio de várias instituições ao longo dos anos - Secretaria de Educação do Estado, Universidade Federal de Pernambuco, Forças Armadas e desde que o arquipélago foi anexado pelo Estado de Pernambuco, ganhou uma divisão especial na Administração do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, onde Marieta exercia a função de encarregada pelo resgate documental da história da ilha.

Seu primeiro livro sobre o tema foi “Fernando de Noronha, Lendas e Fatos Pitorescos”, que serviu de enredo à Estação Primeira de Mangueira no Carnaval de 1995. Também organizou o Memorial Noronhense, museu localizado na Vila dos Remédios, centro histórico da ilha principal; além de ter mapeado os principais monumentos e trilhas do local; reunindo documentos e imagens históricas no acervo existente no Escritório da Administração do Distrito Estadual.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Além do trabalho com pesquisa histórica, Marieta dedicou a sua vida profissional à educação. Foi Secretária de Educação de Olinda, durante o governo de Germano Coelho iniciado em 1978. Em 1994, quando o professor Germano voltou à prefeitura, ela foi chamada para assumir o cargo de secretária de Cultura e Turismo da cidade. Ensinou nos cursos de magistério de várias escolas particulares do Grande Recife (Santa Maria, Agnes, Regina Pacis, entre outros), foi fundadora e professora da Fundação de Ensino Superior de Olinda (Funeso), trabalhou na área técnica da Secretaria da Educação e Cultura do Estado e ainda coordenou os cursos de formação profissional da extinta associação dos bancos públicos estaduais (Asbace). Era integrante do conselho do Centro De Integração Escola-Empresa (CIEE), e do Instituto Histórico de Olinda.

Religião e vida pessoal de Marieta Borges

Muito católica, Marieta trabalhou lado a lado de Dom Hélder Câmara, desde os tempos das Obras de Frei Francisco até a criação do Instituto Dom Helder Câmara, organizado após a morte do arcebispo emérito de Olinda e Recife. Marieta atuou em várias paróquias da arquidiocese, era irmã terceira da ordem franciscana em Olinda e foi uma das idealizadoras do grupo que lutou pela restauração do Convento do Carmo da cidade, hoje totalmente recuperado e que voltou a abrigar frades carmelitas em formação. Era fiel frequentadora das missas das 11h do domingo celebradas naquele templo.



Dona de uma voz marcante e potente, era conhecida na igreja como organizadora de missas e procissões. Ela é autora da letra do hino da padroeira de Fernando de Noronha, Nossa Senhora dos Remédios, e também do hino do Padroeiro de Olinda, São Salvador do Mundo. A fé e vida de cristã praticante poderiam explicar a forma sempre positiva como a pesquisadora encarou a doença. Diagnosticada pela primeira vez com câncer em 2004, mesmo ano em que ficou viúva, Marieta voltaria a enfrentar a doença outras três vezes - nas mamas, no pâncreas e no sistema linfático.

Em junho deste ano, realizou o grande sonho da sua vida, quando encontrou-se frente a frente com o papa Francisco, durante o congresso mundial da Renovação Carismática, de que participou com a delegação da Obra de Maria. Logo depois, teve um AVC e descobriu-se que o câncer de pâncreas voltara de forma agressiva, atacando o sistema linfático. Ela estava internada no Hospital Memorial São José desde o dia 2 de dezembro, quando foi socorrida após levar uma queda em casa.

Marieta Borges, cujo nome de batismo era Maria José Borges Lins e Silva, nasceu no Recife, em 16 de novembro de 1939. Filha de pai português e mãe paraense, cresceu numa família de músicos. Seu irmão, Fernando Borges, já falecido, foi maestro de uma das orquestras mais conhecidas da cidade. Era percussionista, tendo o bongô como seu instrumento favorito. Um dos passatempos preferidos da escritora era fazer poesias, com livros publicados pelas Edições Paulinas ("Cantando o Amor o Ano Inteiro"), e algumas edições independentes e vários livros em literatura de cordel.

Formada em pedagogia, com especialização em história, Marieta casou-se com o também professor Fernando José Lins e Silva, com quem teve três filhas, Maria Luiza, Luciana e Ana Carolina. Adotou ainda uma sobrinha, Andrea, que criou desde bebê. Deixa além das quatro filhas, quatro netos.

Prefeito de Olinda emite nota de pesar

O prefeito de Olinda, professor Lupércio, emitiu nota de pesar pela morte da historiadora Marieta Borges. "Neste momento difícil de perda e dor, quero deixar o meu abraço fraterno para a família e todos os seus admiradores. O seu trabalho valoroso a manterá sempre viva no coração de cada olindense”, disse o gestor. Leia a íntegra da nota: 

O prefeito de Olinda, Professor Lupércio, recebeu com grande pesar, neste domingo (15), a notícia do falecimento da historiadora Marieta Borges, mulher de vanguarda, que deixa um grande legado cultural para a Cidade Patrimônio da Humanidade. Dona de um olhar atento sobre as desigualdades sociais, Marieta construiu, ao longo de toda a vida, uma obra de estudos e pesquisas, participando de movimentos políticos e estudantis. Foi secretária de Educação de Olinda, a partir de 1977, retornando, em 1994, para assumir o cargo de secretária de Cultura e Turismo da cidade. Na sua linha do tempo, orgulhava-se por ser educadora, amante da cultura popular, poeta, cordelista, compositora, percussionista, escritora e palestrante. Uma mulher à frente do seu tempo, que conseguia apaziguar contendas e promover a fusão entre diferentes pontos de vista. Marieta atuou na essência do Carnaval de Olinda, com orquestras e blocos tradicionais da cidade. Também somou forças para a restauração do Convento do Carmo. “Neste momento difícil de perda e dor, quero deixar o meu abraço fraterno para a família e todos os seus admiradores. O seu trabalho valoroso a manterá sempre viva no coração de cada olindense”, solidarizou-se Lupércio.  




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM