Jornal do Commercio
MINISTÉRIO PÚBLICO

Denny Oliveira tem pena aumentada para 24 anos e sete meses de reclusão

O argumento usado pelo MPPE para pedir o aumento da prisão foi que a sentença original considerou como se apenas um crime tivesse sido praticado

Publicado em 30/11/2011, às 15h24

 / Foto: Priscilla Buhr/JC Imagem
Foto: Priscilla Buhr/JC Imagem
Do JC Online

O apresentador de TV Denny Oliveira teve a pena aumentada de 15 anos para 24 anos e sete meses de reclusão, após pedido do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Ele é acusado de estupro e atentado violento ao pudor praticados contra quatro adolescentes. O julgamento do acusado aconteceu no último dia 16, pela 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE).

O argumento usado pelo MPPE para pedir o aumento da prisão foi que a sentença original considerou "continuidade delitiva", como se apenas um crime tivesse sido praticado.

As promotoras de Justiça Cristiane Medeiros e Cristiane Caitano, autoras da apelação para pedir o aumento da pena, argumentaram que, na verdade, vários crimes foram praticados em tempo e lugares diferentes. “Com a interpretação da continuidade delitiva, o réu foi beneficiado no cálculo da pena”, afirmou Cristiane Medeiros, na época da primeira condenação.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM