Jornal do Commercio
julgamento

Acusados de matar médico Artur Eugênio vão a júri popular

A decisão de levar os acusados a júri popular foi tomada com base nos laudos periciais, informaram as autoridades

Publicado em 27/08/2015, às 09h05

Artur Eugênio de Azevedo foi assassinado a tiros no dia 12 de maio de 2014 / Foto: Reprodução/Facebook
Artur Eugênio de Azevedo foi assassinado a tiros no dia 12 de maio de 2014
Foto: Reprodução/Facebook
Da editoria de Cidades
Atualizada às 16h42

Os quatro homens acusados de planejar e executar a morte do médico Artur Eugênio de Azevedo Pereira, 35 anos, vão a júri popular. A decisão foi tomada pela juíza Inês Maria de Albuquerque Alves, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, na última quarta-feira (26). A defesa dos réus ainda pode recorrer da decisão.

Os réus são o médico Cláudio Amaro Gomes, o filho dele, Cláudio Amaro Gomes Júnior, além de Lyferson Barbosa da Silva e Jailson Duarte César. De acordo com Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), Cláudio Amaro Gomes responderá por homicídio duplamente qualificado (por motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima). Já o acusado Cláudio Amaro Gomes Júnior será julgado por homicídio duplamente qualificado (por motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima), além de furto qualificado mediante fraude com comunicação falsa do crime e dano qualificado pelo uso de substância inflamável. 

Os outros dois acusados de participar do crime responderão por homicídio duplamente qualificado (por motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima) e dano qualificado.



ARTUR_EUGENIO_WEB x

A decisão de levar os acusados a júri popular foi tomada com base nos laudos periciais, além da audiência de instrução e julgamento realizada em sete datas entre os dias 14 de outubro de 2014 e 10 de junho de 2015, informaram as autoridades. Um total de 60 testemunhas foram ouvidas no decorrer do processo.

CASO - O médico Artur Eugênio de Azevedo foi assassinado a tiros no dia 12 de maio de 2014. O corpo do cirurgião só foi encontrado no dia seguinte, às margens BR-101, no bairro de Comporta, em Jaboatão dos Guararapes, Grande Recife. De acordo com a denúncia oferecida ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE), o crime teria sido motivado por desentendimentos profissionais entre Cláudio Amaro Gomes e a vítima. A investigação, comandada pelo delegado Guilherme Caraciolo, apontou, ainda, que Cláudio Amaro Gomes seria o mandante do crime. Um quinto acusado, Flávio Braz, foi morto numa troca de tiros com a Polícia Militar, no dia 8 de fevereiro de 2015.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Sozinhas nasce uma mãe Sozinhas nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM