Jornal do Commercio
Violência

Tentativa de assalto a ônibus na Zona Oeste do Recife deixa dois mortos e dois feridos

Dois passageiros que ficaram feridos no tiroteio não correm risco de morte

Publicado em 10/10/2016, às 22h03

Crime ocorreu nas proximidades do Terminal Integrado do Barro / Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Crime ocorreu nas proximidades do Terminal Integrado do Barro
Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
JC Online

Atualizada às 00h38 do dia 11/10/2016

Duas pessoas morreram e outras duas ficaram feridas na noite desta segunda-feira (10) após um tiroteio em um ônibus da linha UR-05/Barro, próximo ao Terminal Integrado do Barro, na Zona Oeste do Recife. De acordo com a Polícia Militar (PM), seis homens assaltaram o coletivo, um policial militar à paisana reagiu à investida e acabou trocando tiros com eles. Outros militares em duas viaturas também participaram da ação. Dois suspeitos foram atingidos por disparos e morreram no local.

Conforme informações repassadas pela capitã Denise Manso, da PM, os bandidos subiram no ônibus no terminal. “Assim que o ônibus entrou na BR-101 eles anunciaram o assalto. Pessoas de carro que passaram pelo local e viram a movimentação informaram a policiais que estavam em uma viatura na mesma rodovia, na altura da Karne e Keijo, e eles imediatamente seguiram para lá. Um outro militar que estava no coletivo reagiu, e começou a troca de tiros”, disse. 

Rodrigo Antônio de Oliveira, 16 anos, e Carlos Fabrício Souza Falcão, 21, morreram no local. Ambos teriam participado da investida. Rafaeli Lopes de Andrade, 24, foi capturado e encaminhado ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Os demais bandidos conseguiram fugir.



Dois passageiros ficaram feridos durante o tiroteio. Uma mulher foi encaminhada ao Hospital Otávio de Freitas, no bairro do Sancho, com um tiro de raspão nas costas, mas, segundo a PM, não corre risco de morte. Um homem também foi atingido em uma das mãos, mas até o fim da noite não havia informações sobre o local para onde ele foi levado. 

O cobrador do ônibus, Jackson Pinto, que trabalha há seis meses na linha e já sofreu quatro assaltos, narrou os momentos de terror que viveu durante o crime. “Os assaltantes foram muito violentos, pegaram o dinheiro da renda do ônibus e os celulares e outros objetos dos passageiros. Do nada, começaram a atirar. Como o carro estava muito lotado, não sei quem atirou primeiro, só que todos deitaram no chão e começaram a chorar. Apenas quando as coisas se acalmaram percebemos que havia mortos no chão”, explicou.

O trabalhador afirmou ainda que assaltos são muito comuns naquela região. “Praticamente todos os assaltos que sofri foram naquela área. Tenho trabalhado com medo, pois a bandidagem é muito grande por ali”, comentou Pinto.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM