Jornal do Commercio
Feminicídio

''Machismo matou minha filha'', diz mãe de Mirella Sena

Declaração foi realizada antes de um protesto que cobra maior celeridade no julgamento de Edvan Luiz, acusado de matar e violentar Mirella Sena

Publicado em 09/04/2017, às 11h22

Suely também afirmou que espera por justiça, não só por Mirella, mas por todas as mulheres que sofrem situações parecidas com a da filha / Fotos: Bobby Fabisak/JC Imagem
Suely também afirmou que espera por justiça, não só por Mirella, mas por todas as mulheres que sofrem situações parecidas com a da filha
Fotos: Bobby Fabisak/JC Imagem
JC Online
Com informações da repórter Amanda Tavares

A mãe da fisioterapeuta Mirella Sena, Suely Araújo, declarou neste domingo (9) que a sua filha foi mais uma vítima do machismo. A declaração foi feita antes de uma manifestação no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, que cobra por celeridade no julgamento do comerciante Edvan Luiz da Silva, de 32 anos, acusado de ter assassinado e violentado Mirella no apartamento dela, também no bairro de Boa Viagem. O crime teve bastante repercussão em Pernambuco.

Antes da saída da passeata, Suely elogiou a agilidade da polícia no caso. "Agradeço ao delegado que está cuidando do caso, a juíza que concedeu a prisão preventiva e eu tô com a maior esperança que essa justiça e que minha filha não vai ficar impune".

Suely também afirmou que espera por justiça, não só por Mirella, mas por todas as mulheres que sofrem situações parecidas com a da filha. "Eu não quero vingança, eu quero justiça. Justiça por todas as mulheres que passam por isso (violência contra a mulher). Não é uma coisa que acontece quando um 'fulano' arromba a porta de uma casa,  mas algo que acontece dentro da própria casa, com a família", afirmou. 



Ela também cobrou por maiores ações que possam prevenir e combater a violência contra a mulher. "Minha filha tinha família e amigos. E as mulheres que não têm? Se nada for feito, amanhã serão outras Mirellas. Que esse tipo de crime (feminicídio) não se perpetue. O machismo mata e matou a minha filha", declarou.

Secretário promete ações da Prefeitura para combater o machismo

Secretário de Segurança Urbana do Recife, Murilo Cavalcanti, veio até o protesto para apoiar a família. "Não vim como secretário, mas como cidadão. Porque o Brasil precisa colocar essa pauta da violência contra mulher em sua agenda diária. Isso é questão de respeito a vida e a vida é sagrada", afirmou.

O secretário também anunciou ações futuras da Prefeitura combater o machismo e a violência contra a mulher. "A Prefeitura do Recife já vem atuando na prevenção da violência por meio da cultura de paz, com esse tipo de trabalho sendo realizado no Compaz. E, em parceria com a Secretaria da Mulher, será realizada em breve uma jornada para debater essas questões ligadas à violência contra a mulher e ao machismo", prometeu Murilo Cavalcanti.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM