Jornal do Commercio
POLÍCIA CIVIL

Homem impede que jovem pule de ponte e cumpra fase da Baleia Azul no Recife

A adolescente estava no parapeito da Ponte Buarque de Macedo, nessa segunda-feira (15), quando o homem passou pelo local e a convenceu a não pular

Publicado em 16/05/2017, às 07h06

A adolescente de 15 anos estava com diversos cortes nos braços, incluindo um com formato de baleia / Foto: Edson Araújo/TV Jornal
A adolescente de 15 anos estava com diversos cortes nos braços, incluindo um com formato de baleia
Foto: Edson Araújo/TV Jornal
JC Online
Com informações da TV Jornal

A Polícia Civil está investigando a participação de mais uma jovem do Grande Recife no jogo Baleia Azul, que incentiva o comportamento suicida. A vítima, de 15 anos, reside no Cabo de Santo Agostinho, mas foi encontrada no parapeito da Ponte Buarque de Macedo, no Bairro do Recife, na noite dessa segunda-feira (15). Um homem que passava pelo local viu a situação e convenceu a adolescente a não pular. Com diversos cortes nos braços, incluindo um com o formato de uma baleia, ela estaria tentando cumprir a última fase do desafio.

Durante a conversa com o homem que a ajudou, a menina teria confessado o envolvimento com o jogo. Ela foi acolhida em uma casa no bairro de Santo Amaro. Na residência, os moradores acionaram o Conselho Tutelar e a jovem foi encaminhada para a Central de Plantões da Capital (Ceplanc), onde os pais foram informados.

A adolescente passou por exames no Instituto de Medicina Legal (IML) e o Conselho Tutelar informou que ela vai receber acompanhamento psicológico e, se necessário, psiquiátrico.

O jogo Baleia Azul

No jogo, adolescentes são convocados para grupos fechados no Facebook e no WhatsApp, e devem cumprir 50 desafios pré-estabelecidos por curadores, que são pessoas que comandam o jogo. Entre as tarefas, estão mutilar os braços com facas, assistir a filmes de terror na madrugada e, na tarefa final, cometer suicídio. Iniciado na Rússia entre 2015 e 2016, o "jogo da Baleia Azul" (Blue Whale) está supostamente ligado a uma série de suicídios em todo o mundo. Isso porque ele busca causar danos emocionais aos participantes.



Alertas para pais e educadores sobre o jogo

Educadores da rede de escolas de informática Microcamp, de São Paulo, elaboraram uma cartilha na qual são traçados dez sinais de alerta.

1. Prestar atenção se o jovem sabe do que e trata o jogo e seus perigos. Converse sobre o assunto. Na adolescência é comum que os pais sejam excluídos da vida social de seus filhos, entretanto, segundo Helder Hidalgo, coordenador de cursos e psicólogo, é fundamental ter um diálogo dentro de casa, entender qual é a necessidade do jovem no momento. 

2. Ficar atento ao comportamento dos jovens, prestando atenção se há alguma mudança significativa. 

3. Atenção nas atividades dos jovens na internet. Procure saber o que o jovem está acessando, o que está jogando, com quem, se aceitou convites de desconhecidos. 

4. Verificar se o jovem usa manga comprida mesmo em dia quente.

5. Verificar se há marcas pelo corpo. 

6. Atentar para o rendimento escolar. 

7. Perceber se há isolamento e sinais de tristeza. 

8. Notar se há agressividade.

9. Atentar para os temas das conversas dos jovens.

10. Se notar alguma alteração, professores e pais devem conversar com o jovem e procurar ajuda profissional. 



Comentários

Por kjdfaslkijcd,04/04/2018

ASKDSAKDSAKDSAKDLSAKJFLASKJHFDSLAKF E EU NAMORO COM ELA SAKDJSALÇKFJSALJSKJLDA

Por MARCELO,17/05/2017

Ela deveria pular da ponte , por desenhar uma baleia que parece uma raposa ......kkkkkkkkkkkkkkkkk

Por José,16/05/2017

Caro professor, pode ser que a justificativa apresentada pela sua aluna não tenha sida verdadeira. Por conta da ameaça que o jogo aplica aos seus participantes, ela deve ter alegado a ausência dos pais, quando na verdade pode não ser. Sugiro aos responsáveis toda atenção com relação as desculpas, pois nem sempre pode ser verdade.

Por jevesson,16/05/2017

A vida é de cada indevido e só ele é responsável pela sua vida, portanto pra mim se ele(a), quer se matar tudo bem, desde que não mate outra pessoa junto, portanto deixem as pessoas fazerem o que quiser da sua vida, será que essa cidadão salvou mesmo a vida dessa pessoa? Ou ele só prolongou o sofrimento dela?

Por Thiago Pessoa,16/05/2017

Sou professor da rede estadual. Em sala de aula me deparei com várias adolescentes nesta mesma situação. Certo dia resolvi investigar mais a fundo e convidei 5 meninas de uma mesma sala para discutir o porque seus braços estavam com cicatrizes. Nenhuma confirmou a participação neste tal jogo. O que me foi dito foi "professor... eu mesma quando estou estressada, com raiva... não tenho em quem descontar... então me corto..." Questionei sobre seus pais. Por que você não conversa com seus pais. Demonstre suas preocupações, seus problemas . Elas responderam que seus pais passavam o dia todo trabalhando e não tinha tempo para elas. Ficou provado para mim naquele momento que as mutilações na qual presenciei não tinha relação com jogo. Mas sim com a falta dos país em seu dia a dia.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM