Jornal do Commercio
VIOLÊNCIA

Fundadora do 'Eu Acho é Pouco' pode ter sido vítima de latrocínio

Delegado Paulo Dias, do DHPP, confirmou que a artista plástica foi atacada com pancada na cabeça

Publicado em 14/03/2018, às 01h36

DHPP confirmou que a vítima foi atacada. / Foto: Edson Araújo / TV Jornal
DHPP confirmou que a vítima foi atacada.
Foto: Edson Araújo / TV Jornal
JC Online
Com informações da TV Jornal

atualizada às 11h53

A artista plástica Maria Alice Soares dos Anjos, de 74 anos, encontrada morta no quintal de casa na noite dessa terça-feira (13), em Olinda, no Grande Recife, pode ter sido vítima de latrocínio. A informação é do delegado Paulo Dias, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que deu início às investigações. A vítima apresentava um afundamento no crânio, provavelmente causado por um instrumento contundente.



Maria Alice estava com um afundamento no crânio

Os policiais também procuraram no local uma bolsa, que pertencia à vítima, contendo dois aparelhos celulares e documentos. A bolsa não foi encontrada, levando a crer que Maria Alice, conhecida como “Baixinha”, foi vítima de um roubo. A polícia agora investiga as circunstâncias do fato para identificar o autor ou autores do assassinato. A vítima era uma das fundadoras do bloco "Eu Acho é Pouco".

Perícia

Peritos do IC estiverem na casa da arquiteta na manhã desta quarta-feira para realizar nova perícia.



Comentários

Por Luzo,14/03/2018

É até uma falta de respeito com a senhora utilizar esse fato para dizer que foi a falta de arma em casa que matou ela.

Por Júnior Henrique,14/03/2018

O criminoso procura sempre o meio mais fácil para conseguir o seu intento. Sabendo que a população não tem como revidar às suas investidas, eles se sentem à vontade para causar o terror. Os miseráveis já estão invadindo prédios e assaltando os moradores dentro do condomínio, isso acontece porque eles tem a certeza de que a populaçao está indefesa. Ninguém vai ser obrigado a portar arma, mas eu tenho direito de escolher se quero me defender. Se a população está desarmada, onde esses miseráveis estão adquirindo armamento? Não foi essa uma das mentiras contada pelo governo para enganar o povo. Quando o bandido sabe que a indivíduo tem o direito de poder de se defender, ele migra para outros tipos de crime, pois sabe que, mesmo que a sua vítima não porte arma, outras pessoas, ao redor, podem estar armadas.

Por Júnior Henrique,14/03/2018

Desarmaram a população e os homicídios explodiram! Explica isso aí, gênio! Depois que a populção ser armou no Paraguai a taxa de homicídios caiu, inclusive é bem menor do que a brasileira. Teu governo comunista mentiu direitinho pra você. Ingênuo é acrditar nas mentiras contadas por governos populistas corruptos.

Por Botelho Pinto,14/03/2018

Me pergunto o que uma senhora de 74 anos faria com uma arma em casa. É incrível como o cinema e a Tv formam facilmente os conceitos de alguem. Usar uma arma de fogo requer muito preparo. A prática é muito diferente da teoria. Ela morreria do mesmo jeito. A alta criminalidade é resultado de educação precária, o que limita oportunidades e corrompe a cidadania. A liberação de armas de fogo só aumentará a criminalidade, pois juntos aos latrocínios teremos os homicídios causados pelos "cidadãos de bem". E antes que perguntem, sou de Centro-direita e Capitalista, já que a polarização é a regra nesse país de Idiotas...

Por Hermes,14/03/2018

Só sendo muito ingênuo (e eleitor de Bolsonaro) mesmo em acreditar que por possuir arma em casa a pessoa estará mais segura. Se essa senhora tivesse arma em casa, além de morta, haveria mais uma arma na mão dos bandidos que a mataram para ferir ou matar outras pessoas por aí. Quanto mais armas disponíveis, maior a violência.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM