Jornal do Commercio
CONFISSÃO

Caso Aldeia: viúva de médico confessa crime e inocenta filho

A farmacêutica Juassara Paes confessou que praticou todo o crime sozinha e que não teve a ajuda do filho, o engenheiro civil Danilo Rodrigues

Publicado em 04/09/2018, às 08h05

Jussara foi confrontada pelo advogado de defesa e confessou todo o crime contra o médico e seu marido, Denirson Paes / Foto: Luis Oliveira/TV Jornal
Jussara foi confrontada pelo advogado de defesa e confessou todo o crime contra o médico e seu marido, Denirson Paes
Foto: Luis Oliveira/TV Jornal
JC Online

Dois meses após a polícia encontrar o corpo do médico Denirson Paes da Silva, 54, em um condomínio de luxo em Aldeia, no Grande Recife, a farmacêutica Jussara Paes, de 54 anos, confessou o crime. Segundo o advogado de defesa, Alexandre Oliveira, a suspeita afirmou em depoimento a delegada responsável pelo caso, Carmen Lúcia, na noite dessa segunda-feira (3), que agiu sozinha e sem a ajuda do filho, o engenheiro civil Danilo Rodrigues Paes, de 23 anos.

De acordo com Alexandre, após ser confrontada em relação ao que dizia e ao que estava no inquérito da Polícia Civil, concluído no último dia 29, Jussara confessou o crime. “Na sexta-feira à tarde eu fui a Colônia Penal Feminina, onde ela está presa, e disse que as informações dela não batiam com o que estava no relatório final sobre o caso. Pedi que ela falasse a verdade e logo depois ela confessou que praticou todo o crime sozinha”, disse.

Jussara está presa desde o dia 5 de julho, quando ela e o filho se tornaram os principais suspeitos pela morte do cardiologista. Após a confissão, o advogado informou a delegada Carmen Lúcia, que marcou um novo depoimento na tarde dessa segunda (3).

Alexandre Oliveira, que acompanhou todo o depoimento prestado pela farmacêutica, explicou que Jussara reafirmou que esquartejou e matou Denirson sozinha. “Os detalhes do depoimento são fortes. Não posso falar tudo, pois o que ela disse ainda será anexado ao inquérito”, comentou.

Segundo informações prestadas em depoimento, Jussara afirmou que praticou a ação se deixando levar pelas emoções e principalmente por descobrir que Denirson teria uma amante. No entanto, o advogado não quis passar mais detalhes sobre o que a farmacêutica falou à polícia.

Sobre o benefício do depoimento em relação a Danilo Rodrigues, preso no Centro de Observação Criminológica e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), Alexandre disse que espera a inclusão da confissão de Jussara no inquérito para trabalhar na defesa do engenheiro.

O caso

O caso teve início quando a farmacêutica, Jussara Rodrigues Paes, registrou um boletim de ocorrência no dia 20 junho sobre o desaparecimento de seu marido. Nos registros, a mulher afirmava que o médico teria viajado para fora do país e não teria voltado.



Durante as investigações, a delegada Carmem Lúcia Silva de Andrade, desconfiou da participação da esposa e de um dos filhos do casal, um jovem de 23 anos, no desaparecimento do médico. No último dia 4 de julho, a Polícia Civil solicitou um mandado de busca e apreensão na residência da família, localizada no Condomínio Torquatro Castro, no Km 12 de Aldeia, em Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife.

Lá, o corpo do cardiologista foi encontrado em um poço em avançado estado de decomposição. A esposa e o filho e encaminhados para a Delegacia de Camaragibe para prestar esclarecimentos e autuados por ocultação de cadáver logo em seguida.

As informações apontaram que o corpo do médico apresentava sinais de esquartejamento e que produtos químicos teriam sido usados para tentar ocultar o odor da decomposição.

Entrevista

Em entrevista exclusiva a TV Jornal, no último dia 22 de agosto, Jussara teria afirmado que não matou Denirson e que, de acordo com o que foi investigado até o momento, suspeitava de quem poderia ter sido o mandante desse crime. 

Durante a entrevista, a farmacêutica chorou e se contradisse, explicando que só se deu conta do desaparecimento do médico no dia 18 de junho e logo depois comentando que já desconfiava do 'sumiço' de Denirson no dia 31 de maio.

Sobre uma possível separação, a suspeita pontuou que em nenhum momento existiu essa possibilidade, já que o médico, segundo ela, dizia uma coisa e 'desdizia' logo depois. Chorando, Jussara falou que o carinho que o marido tinha pelo filho, era um exemplo para toda a família. ''O amor entre era indiscutível'', declarou.

Ao final da entrevista, Jussara teria dito que sabia quem seria o suspeito pela morte Denirson. ''A pessoa que assassinou o meu marido conhecia a minha casa muito bem, conhecia a minha rotina. Essa pessoa sabia. Eu não posso dizer o nome, porque a investigação corre em segredo de justiça, mas eu tenho plena certeza de quem pode ter cometido esse crime'', pontuou.



Comentários

Por Márcio,04/09/2018

Pode ter acontecido , mas não acho que um filho ajudaria uma mãe a matar o pai, só se o pai fosse um ser muito ruim o que não me parecia ser o caso.

Por José Valdemar Pereira,04/09/2018

Bandida de alta periculosidade, pois foi namorada do médico desde o tempo em que vieram do interior da Bahia, depois que o mesmo não mais lhe suportou, a mesma pede ajuda da filho mais velho para trucidar esposo e pai,ela merecia uma pena de morte.

Por Maurício Vital,04/09/2018

Essa onda aí porque o menino perderia o direito de ser herdeiro do finado. Aí a velha confessa, pega uns aninhos e depois solta o boy parricida e herdeiro (divide com o outro filho que não foi suspeito, acho eu que tem esses dois) ajuda a veia a viver na maciota. Cada dia morre um otário e nasce um isperto(que tomara que se dê mal)

Por Valéria,04/09/2018

Mulher cruel, e covarde. Qual a necessidade de tirar a vida de um ser humano ainda mais o próprio companheiro? Mesmo ela ela tenha descoberto que ele tinha uma amante, ' não que isso seja uma atitude correta por parte dele", era só se separar, pedi os direitos que cabiam a ela perante o divórcio,e assim tentar reconstruir a sua vida. Dessa forma cruel ela só perdeu em todos os sentidos e ele (o médico), foi que infelizmente levou a pior !

Por LYRA,04/09/2018

Bom, se eu fosse um dos membros do nosso podre, fedido, desacreditado e não confiável judiciário, dobraria a pena dessa desgraça e, pena que nessa zona chamada brasil não exista a pena de morte, nem mesmo para crimes como esse, de um grau de periculosidade tão alto. Será que o tal advogado de "defesa" ainda terá a coragem de defender um satanás como essa desgraça? Pois, se aparecer algum defensor, merece ir preso junto ela; Será que vai aparecer algum idiota que venha acreditar que ela cometeu o crime sozinha, sem a ajuda do filho assassino? Bom, em uma zona que o judiciário conta com amigos de BANDIDOS como Gilmar Mendes, Lewandowski, Toffoli e ainda Moraes, tudo pode acontecer.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM