Jornal do Commercio
VIOLÊNCIA

Universitária denuncia tentativa de abuso sexual no Centro do Recife

O relato está repercutindo em uma rede social. O suspeito do crime foi liberado após assinar um Termo de Compromisso

Publicado em 08/11/2018, às 17h13

Segundo a vítima, crime ocorreu nas proximidades do Parque Treze de Maio, em Santo Amaro / Foto: Reprodução/Google Street View
Segundo a vítima, crime ocorreu nas proximidades do Parque Treze de Maio, em Santo Amaro
Foto: Reprodução/Google Street View
JC Online

Atualizada às 17h49 do dia 9/11

Uma estudante universitária de 22 anos relatou ter sofrido uma tentativa de abuso sexual nas proximidades do Parque Treze de Maio, em Santo Amaro, Centro do Recife, na noite dessa quarta-feira (7). Uma publicação da jovem denunciando o caso está repercutindo no Facebook e acumulava mais de duas mil curtidas e 1400 compartilhamentos até as 16h45 desta quinta-feira (8). Um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) foi lavrado contra o suspeito do crime.

A vítima, que estuda em Santo Antônio, Centro do Recife, contou que estava indo encontrar amigos no Parque Treze de Maio, em Santo Amaro, e caminhava pela ponte Duarte Coelho quando percebeu a presença do suspeito atrás dela. “Por volta das 20h30, eu atravessei a rua indo para a Conde da Boa Vista quando o vi andando atrás de mim”, afirmou.

Ela disse que continuou andando até que o homem encostou nela. “Ele vinha tão perto que dava para ouvir a respiração dele em mim”, relatou.  A vítima afirmou que empurrou o suspeito duas vezes, e tentou afastá-lo.

“Chegando perto do Parque Treze de Maio, ele passou por mim e colocou o rosto perto dos meus seios”, contou a estudante. O homem teria dito a frase: “Você é muito gostosa, vou ali bater uma pra você. Tá de parabéns”. Em seguida, a jovem o empurrou e gritou.

Amigos da estudante, presenciando a cena, foram tomar satisfações com o suspeito. Nesse momento, um efetivo da Guarda Municipal passou pelo local. “A Guarda chegou e autuou ele em flagrante”, afirmou a jovem. Ela e o suspeito foram levados para a Central de Plantões da Capital, em Campo Grande, na Zona Norte da Recife, onde foi registrada a ocorrência.

Na delegacia, segundo a estudante, o suspeito afirmou aos policiais que seria pastor adjunto da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). A Polícia Civil não confirmou a informação. Procurada na tarde desta quinta-feira (8), a assessoria da igreja evangélica afirmou que ainda não tinha conhecimento sobre o fato e não soube informar se o suspeito era mesmo ligado à instituição.



Posicionamento da igreja

Somente na sexta-feira (9), um dia após o ocorrido, o Departamento de Comunicação Social e de Relações Institucionais da Igreja Universal, através de email, se posicionou. "Com referência à matéria “Universitária denuncia tentativa de abuso sexual no Centro do Recife”, publicada nesse portal “NE10”, a Igreja Universal do Reino de Deus esclarece que o personagem citado na reportagem não é pastor da Igreja Universal do Reino de Deus. Trata-se de alguém que estava em fase de avaliação de conduta e comportamento para sua elegibilidade ao ministério pastoral. A partir desse comportamento inaceitável que veio a público, ele foi definitivamente afastado do programa de preparação de pastores", diz a nota enviada à redação.

Crime contra a dignidade sexual

A Polícia Civil confirmou o registro do TCO contra o suspeito, um homem de 22 anos, por crime contra a dignidade sexual.

Leia a nota da Polícia Civil:

“A Polícia Civil de Pernambuco informa que registrou, na noite da última terça-feira (6), um Termo Circunstanciado de Ocorrência por crime contra a dignidade sexual. De acordo com informações preliminares, o acusado teria seguido a vítima desde a saída da faculdade até o Parque Treze de Maio. Durante o trajeto, ele teria falado frases obscenas até que tocou na vítima, quando a mesma gritou e populares seguraram o acusado até a chegada da polícia. O caso foi registrado na Central de Plantão e o autor após assinar o Termo de Compromisso foi liberado.”

Segundo a estudante, um policial que a atendeu a aconselhou a não abrir processo contra o autuado. “Ele disse para mim ‘você sabe como é a Justiça’. E se esse cara tivesse me levado para um lugar e me estuprado?”, questionou a jovem. 

Sobre a denúncia da jovem quanto ao tratamento recebido, a assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que “caso a vítima não se sinta acolhida pelo atendido realizado, deve procurar a Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS), para relatar a situação e para que sejam tomadas as medidas cabíveis”.

Leia a nota:

“A Policia Civil informa que estimula que as mulheres denunciem sempre qualquer tipo de violência, que é a forma correta para dar início a resolução dos casos. Caso a vítima não se sinta acolhida pelo atendido realizado, deve procurar a Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS), para relatar a situação e para que sejam tomadas as medidas cabíveis.”

A estudante afirmou que pretende procurar o Departamento de Polícia da Mulher, em Santo Amaro, nesta sexta-feira (10).


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM