Jornal do Commercio
OPERAÇÃO CAVALO DE TROIA

Familiares identificam mortos em operação policial em Alagoas

Oito dos 11 suspeitos mortos foram identificados por familiares na tarde desta sexta-feira (9)

Publicado em 09/11/2018, às 16h07

O corpos dos 11 suspeitos mortos estão no IML de Arapiraca, em Alagoas / Foto: Reprodução / Google Street View
O corpos dos 11 suspeitos mortos estão no IML de Arapiraca, em Alagoas
Foto: Reprodução / Google Street View
JC Online

Oito dos 11 mortos na Operação Cavalo de Troia em Santana de Ipanema, Sertão alagoano, nessa quinta-feira (8), já foram identificados. De acordo com o Instituto Médico Legal (IML) de Arapiraca, familiares das vítimas compareceram ao local, na tarde desta sexta-feira (9), para o processo de liberação dos corpos. A OAB-AL emitiu uma nota exigindo esclarecimentos da operação que resultou na morte de todos os suspeitos do roubo ao banco no interior de Pernambuco.

Os homens identificados são Adeildo de Souza Timóteo, 23 anos; André Luiz de Moraes Lima, 30 anos; Carlos Alberto de Lima, 30; Adejane da Silva, também de 30; José Lutemberg Nogueira Santos, 26 anos; Evandro de Paula Lima Silva, 34; Cristiano Romulo de Souza Rodrigues, 24 anos; Adriano Souza Silva Júnior, 24; Josivan dos Santos Souza, 34 e Francisco das Chagas Vieira de Barros, 32. O corpo de Francisco não foi liberado por nenhum parente ter comparecido ao IML. Ainda há um suspeito sem identificação. De acordo com o IML, ele não portava documentos e, até o momento, nenhum familiar teria entrado em contato para fazer o reconhecimento.

As outras três vítimas ainda não foram identificadas. O IML-AL continua recebendo familiares dos mortos e a expectativa é de que o trabalho de identificação termine no fim do dia.



O caso

A Operação Cavalo de Troia ocorreu na tarde quinta-feira (8) na divisa entre Pernambuco e Alagoas. A polícia invadiu uma casa onde estavam os suspeitos, que seria o grupo responsável pela explosão da agência do Bradesco de Águas Belas, no Agreste pernambucano, ainda na madrugada da quinta. Nenhum dos 11 homens sobreviveu à ação.

A OAB-AL emitiu um ofício na tarde desta sexta-feira (9) para que a Corregedoria e o Ministério Público de Alagoas apurem os detalhes da operação. A divulgação das imagens dos corpos nas redes sociais e por órgãos de imprensa foi considerado pela entidade um “verdadeiro desprezo pela vida humana”.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por E.P.S.,11/11/2018

A nossa POLÍCIA deu o recado certo!!!! RECEBA OS NOSSOS PARABÉNS !!!!!!!!!!

Por José Amaury dos Santos Maria José Cavalcanti dos Santos,10/11/2018

A OAB REALMENTE DEVERIA SE PREOCUPAR COM O AUXILIO RECLUSÃO QUE SEUS CLIENTES RECEBEM APÓS CEIFAR A VIDA DE FAMILIARES POR TODO O NOSSO BRASIL. A OAB REALMENTE DEVERIA ADVOGAR EM FAVOR DO AUXILIO RECLUSÃO SEREM REVERTIDOS PARA OS FAMILIARES DAS VITIMAS QUE OS SEUS CLIENTES INDIGITADOS COMETEM, CRIMES DE LATROCÍNIOS DEVEM SEREM TRANSFORMADOS EM HEDIONDOS, POIS AS VÍTIMAS SÃO TORTURADAS SOB A MIRAS DE ARMAS DE FOGO.

Por Marcelo Martins,10/11/2018

OAB - Ordem dos Advogados dos Bandidos, estão sempre cuidando, protegendo e representando muito bem os seus!

Por José,10/11/2018

PARABÉNS!! aos responsáveis por essa brilhante operação, quem deveria também está nesse "moio" seria os agentes que facilitam essa quantidade de armas ilegais circulando por aí. Se eu fosse agente de segurança das forcas de segurança estatais, o colega de farda que facilitasse esses caras iria junto para a vala com eles. Policia é Policia e bandido é bandido...

Por Cidadao,10/11/2018

Aos policiais atualmente preparados e corajosos nossos parabéns!... Terrível é preocupante seria se estivesse morrido um de nossos agentes heróis no confronto com esses homens bombas. A cada confronto com agentes da lei deve sim haver baixa do lado criminoso bandido é desonesto. Essa é a polícia altamente preparada que o cidadão precisa para sua proteção e proteção de seu patrimônio.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM