Jornal do Commercio
Feminícidio

Colisão que matou mulher na Boa Vista foi proposital, diz Polícia Civil

O suspeito, ex-companheiro da vítima, foi indiciado por homicídio doloso duplamente qualificado (motivo torpe e feminicídio); ele está preso desde 17 de novembro

Publicado em 28/11/2018, às 12h43

O acidente aconteceu em 4 de novembro  / Foto: Divulgação/Polícia Civil
O acidente aconteceu em 4 de novembro
Foto: Divulgação/Polícia Civil
JC Online

A Polícia Civil divulgou, na manhã desta quarta-feira (28), a conclusão do inquérito sobre a morte de Patrícia Cristina Araújo Wanderley, de 47 anos, em 4 de novembro. O ex-companheiro da vítima, Guilherme José Lira dos Santos, 47, foi preso e indiciado por homicídio doloso duplamente qualificado (motivo torpe e feminicídio) por ter causado propositalmente o acidente que tirou a vida de mulher.

O delegado Diego Acioli, responsável pelo caso, afirmou que, inicialmente, o acidente estava sendo tratado como homicídio culposo, quando não há intenção de matar, mas o rumo das investigações mudou após o depoimento de testemunhas que não acreditavam que a morte de Patrícia teria sido causada por um simples acidente de trânsito.

"Depois dos exames, os peritos atestaram que a condição da via estava de excelente trafegabilidade, não existia movimento e não houve marca de frenagem no asfalto. A perícia demonstra que ele teve a intenção de jogar o veículo na árvore", contou o delegado.

O chefe do Núcleo de Perícia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Diego Costa, informou que a perícia focou mais nas questões da velocidade e trajetória, além das condições mecânicas do veículo.

"O veículo saiu em direção retilínea, focado na árvore. Tem uma pequena mudança de trajetória para direcionar a árvore. Não houve nenhum tipo de modificação de trajeto do veículo que pudesse ter sido ocasionado por algum agente externo", revela Diego Costa. "Fica claro que o direcionamento é exclusivo para o lado da Patrícia e que o veículo bateu acelerado. Não houve tentativa de reduzir a velocidade do veículo. Na verdade, teve um acionamento do acelerador para que andasse mais rápido", finalizou.



A denúncia foi encaminhada para o Ministério Público nessa terça-feira (27). 

O caso

De acordo com as informações da Polícia Civil, Patrícia se encontrou ex-marido no prédio dos pais dela, na Avenida Conde da Boa Vista, na área central do Recife, para buscar os filhos do casal, que tinha passado o final de semana com o pai. Ao ser pressionada pelos filhos, a vítima decidiu conversar com Guilherme e os dois saíram do edifício.

O carro do casal estava em alta velocidade e colidiu contra uma árvore na Rua Fernandes Vieira. Patrícia estava sem cinto de segurança e morreu no local do acidente. O suspeito sofreu ferimentos leves e foi levado para um hospital particular. O veículo ficou parcialmente destruído.

Segundo a polícia, testemunhas afirmaram que Patrícia temia pela própria vida e pela vida de Guilherme, que aparentava ser instável. Ela também estaria sendo perseguida e sofrendo diversos abusos psicológicos por parte dele. Os depoimentos levaram a polícia a acreditar que o carro tenha sido utilizado como mecanismo para causar o homicídio.

Eles estavam separados há seis meses e estavam tentando reatar o relacionamento há três, segundo o suspeito. 

Suspeito nega

De acordo com a Polícia Civil, Guilherme negou que tenha provocado o acidente. Ele disse que tinha perdido o controle do carro devido a um meio-fio. No entanto, imagens obtidas pela polícia contradizem o relato do suspeito. "Em nenhum momento a imagem mostra que houve essa passagem pelo meio-fio", disse Diego Acioly. 

Guilherme também afirmou que Patrícia não puxou o volante e não causou a colisão, mas confirmou que discutiu com a ex-companheira, que tinha sido uma briga normal entre casais. 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM