Jornal do Commercio
VÍTIMA TEVE SORTE

Suspeito de tentativa de latrocínio é preso em Ipojuca

Durante ação criminosa, homem deu tiro na cabeça da vítima, mas bala ficou presa no couro cabeludo e não atravessou o crânio

Publicado em 07/01/2019, às 14h16

Projétil ficou preso no couro cabeludo da vítima, sem perfurar a cabeça / Foto: Divulgação/Polícia Civil
Projétil ficou preso no couro cabeludo da vítima, sem perfurar a cabeça
Foto: Divulgação/Polícia Civil
JC Online

A Polícia Civil apresentou na manhã desta segunda-feira (7) a prisão de Rafael José da Silva, 21 anos, em Ipojuca, Mata Sul de Pernambuco. Segundo o delegado Ney Luiz, titular do município, Rafael é suspeito de tentar matar um comerciante no centro de Ipojuca com um tiro na cabeça.

Ele teria avistado a vítima quando ela estava fechando a loja da qual é proprietária. Rafael teria atirado contra ele pelas costas. Após o ataque, o suspeito teria roubado R$ 415 que estavam em uma pochete em poder da vítima, que sobreviveu, pois a bala ficou presa no couro cabeludo, sem penetrar o crânio. 

"Provavelmente se tratava de uma munição velha, pois o projétil não teve força para atravessar a cabeça da vítima”, disse o investigador.

“Só no último dia 4 (sexta-feira) é que a polícia foi informada da ocorrência, pois a vítima estava hospitalizada”, afirmou Ney Luiz. “Quando recebemos a denúncia, fomos até as proximidades de onde ocorreu o crime e analisamos as imagens de câmeras de segurança dos arredores”, explicou.



A vítima, que não teve a identidade divulgada, afirmou à polícia que apenas sentiu uma pancada na cabeça e desmaiou. “Ele só acordou no hospital, nem viu quando o suspeito atirou nele”, relatou o delegado. O preso não tem antecedentes criminais, e afirmou à polícia que era usuário de crack. “O Rafael afirmou que, segundo ele mesmo, estava ‘muito louco’ no momento em que atirou na vítima”, disse Ney Luiz.

Motivações investigadas

Para a polícia, o suspeito afirmou que atirou no comerciante por conta de uma suposta ameaça feita pela vítima contra ele. “Esse fato não se confirmou com as investigações”, assinalou o delegado. Depois da tentativa de latrocínio, Rafael teria fugido a pé. “Ele falou que jogou a arma no rio (Rio Ipojuca)”, pontuou Ney Luiz.

Após o fato, o suspeito continuou a circular normalmente pela vizinhança do local do crime. “Ele andava por lá tranquilamente, como se nada tivesse acontecido”, ressaltou o delegado. Rafael foi preso temporariamente. A prisão tem um prazo de 30 dias. até a conclusão do inquérito.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM