Jornal do Commercio
Notícia
COIOTE

Homem é preso suspeito de atuar como coiote

Grupo de oito homens de Bangladesh chegou ao Recife em voo proveniente de Bueno Aires

Publicado em 09/05/2019, às 08h11

Polícia Federal protocolou pedidos de refúgio do grupo de Bangladesh  / Foto: Polícia Federal/Divulgação
Polícia Federal protocolou pedidos de refúgio do grupo de Bangladesh
Foto: Polícia Federal/Divulgação
JC Online com informações da PF

Um homem foi preso pela Polícia Federal, no Aeroporto Internacional dos Guararapes, suspeito de atuar como coiote, realizando a imigração ilegal de oito cidadãos de Bangladesh. Os bengalis chegaram ao Recife em um voo procedente de Buenos Aires e durante a checagem dos documentos a PF constatou a ausência de visto necessário nos passaportes.

A documentação apresentada pelos imigrantes, passaportes e carteiras de tripulantes marítimos eram autênticas, mas além destes eles possuíam uma carta de uma empresa marítima de transbordo e tinham o objetivo de embarcar em um navio. Ao contatar a empresa responsável pela embarcação, a Polícia Federal foi informada de que não havia previsão de embarque de tripulantes.

Foi quando Marcos Antonio da Cunha, 55, paulista, se apresentou como responsável pela documentação necessária para o embarque do grupo de Bangladesh. Entretanto, o documento apresentado por ele, era um pedido de refúgio assinado por um advogado de São Paulo e não a declaração necessária. Por conta dos indícios de que estaria promovendo a entrada ilegal de estrangeiros em troca de dinheiro, Marcos recebeu voz de prisão. Ele passou por audiência de custódia e, após pagar fiança, foi liberado e deve responder ao processo em liberdade. Caso seja condenado, pode pegar de dois a cinco anos de prisão.



Pedido de refúgio

A Polícia Federal de Pernambuco protocolou pedidos de refúgios dos imigrantes de Bangladesh por solicitação dos mesmos - sem a qual não seria possível. O pedido será encaminhado para o Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), vinculado ao Ministério da Justiça.

De acordo com a Lei 9.474/1997 é considerado refugiado todo indivíduo que sai do seu país de origem devido a fundados temores de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas imputadas, ou devido a uma situação de grave e generalizada violação de direitos humanos no seu país. Considera-se que uma pessoa é perseguida quando seus direitos tenham sido gravemente violados ou estão em risco. Isso pode acontecer, por exemplo, quando a vida, liberdade ou integridade física da pessoa corre sério risco no seu país.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM