Jornal do Commercio
Notícia
SEGURANÇA PÚBLICA

Atravessando gestões, policiais federais estão à frente da melhora da segurança em Pernambuco

O primeiro federal à frente da gestão da segurança pública em Pernambuco chegou ao posto em 2006

Publicado em 15/01/2020, às 09h44

Contando com o atual titular da SDS, sete delegados da PF já comandaram a secretaria / Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Contando com o atual titular da SDS, sete delegados da PF já comandaram a secretaria
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Felipe Vieira

Nos últimos 14 anos, a gestão da segurança pública em Pernambuco teve momentos de altos e baixos, mas uma constante bem definida: a cadeira principal da Secretaria de Defesa Social (SDS), desde 2006, é ocupada por delegados da Polícia Federal (PF). Até agora, foram sete ao total, contando com o atual, Antônio de Pádua.

Leia mais:

2019 foi 4º ano com menos homicídios em Pernambuco desde o início do Pacto pela Vida. Veja números

2019 foi o ano com o menor número de mortes de mulheres em Pernambuco desde 2004

A iniciativa, inclusive, vem de antes do Pacto pela Vida, principal marca, na segurança, das gestões do PSB. Foi no governo de Mendonça Filho (DEM, de abril a dezembro de 2006) que o primeiro federal assumiu a SDS, o brasiliense Rodney Miranda, então com 41 anos e vindo de uma polêmica passagem à frente da secretaria de segurança do Espírito Santo. Mendonça perdeu a eleição para Eduardo Campos (PSB) e Miranda chegou a ser cotado pelos socialistas para ficar no novo governo, mas acabou exonerado. Após passagens pela prefeitura de Caruaru, no Agreste, e de voltar a comandar a segurança no ES, Rodney se aventurou pela política: foi deputado estadual pelo DEM e prefeito de Vila Velha. Atualmente, é secretário de segurança de Goiás.

O primeiro delegado federal do governo Eduardo, quando foi concebido o Pacto pela Vida, foi o paraibano Romero Meneses, que já tinha sido o número dois nacional da corporação. Mas foram apenas nove meses no comando da pasta. Em setembro de 2007. Meneses deixou o governo para voltar à cúpula da PF em Brasília. Em seu lugar veio o cearense Servilho Paiva, que comandou a SDS durante os primeiros anos de redução da criminalidade, mas saiu após se desentender com o então comandante da Polícia Militar sobre a negociação salarial dos oficiais da corporação.

Servilho foi substituído pelo ex-superintendente da PF em Pernambuco, Wilson Salles Damázio, um cuja gestão o Estado viu os melhores índices do Pacto — o ano de 2013 marcou as menores taxas de homicídios da história do Estado. Conciliador e boa-praça, Damázio gozava da total confiança de Eduardo Campos e dos comandos das polícias Civil e Militar. Até ser demitido, em dezembro daquele ano, após uma entrevista à repórter Fabiana Moraes, deste JC, em que dizia que mulheres tinham fetiche por homens de farda.



No lugar de Damázio veio o baiano Alessandro Carvalho. Também de perfil conciliador, ele foi o mais longevo ocupante da pasta. Ficou 46 meses entre dezembro de 2013 e outubro de 2016. Mas foi durante sua gestão que o Pacto pela Vida começou a perder força e os números pioraram. As associações classistas, principalmente as da Polícia Militar, também se constituíam em calo para a administração, com constantes ameaças de greve.

Em um cenário de violência galopante e de uma visível inquietação nas corporações, não restou alternativa ao governo senão trazer um delegado de pouca conversa e perfil linha dura. O carioca Angelo Gioia veio com a clara missão de quebrar a espinha dorsal das organizações de classe e resgatar a disciplina nos comandos das polícias. E o fez. Durante os breves oito meses em que ocupou a pasta (outubro de 2016 a junho de 2017), dirigentes sindicais foram expulsos da PM e policiais que participaram de manifestações por melhores salários terminaram presos. Alegando questões pessoais, Gioia deixou a SDS em junho de 2017 e voltou para o Rio de Janeiro.

A motoniveladora que ele passou sobre as polícias aplanou o caminho para que seu adjunto, o discreto e reservado Antônio de Pádua pudesse ter tranquilidade para tocar a retomada do Pacto pela Vida. Pádua comandou a SDS no pior ano da história da violência em Pernambuco: 2017, quando foi registrado o recorde de 5.426 assassinatos no Estado. Mas também é o timoneiro da curva decrescente nos homicídios desde 2018.

Veja a lista de PFs no comando da SDS:

Rodney Miranda (abril a dezembro de 2006)

Romero Meneses (janeiro a setembro de 2007)

Servilho Paiva (setembro de 2007 a abril de 2010)

Wilson Damázio (abril de 2010 a dezembro de 2013)

Alessandro Carvalho (dezembro de 2013 a outubro de 2016)

Angelo Gioia (outubro de 2016 a junho de 2017)

Antônio de Pádua (junho de 2017 até hoje)




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM