Jornal do Commercio
luta pela vida

Campanha por medula óssea

Vítima de leucemia usa redes sociais para estimular doação, tentar salvar a própria vida e a de milhares de pessoas

Publicado em 08/02/2015, às 22h13

FORÇA Millena não respondeu à quimioterapia, mas não desiste e luta por um transplante / Foto: Guga Matos/JC Imagem
FORÇA Millena não respondeu à quimioterapia, mas não desiste e luta por um transplante
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Valéria Oliveira
voliveira@jc.com.br

Há um ano, a vida da bancária Millena Feitosa, 37 anos, virou de ponta cabeça. Durante uma festa de Carnaval, passou mal e acabou na emergência de um hospital no Recife. Foi na unidade de saúde que recebeu a notícia de que era portadora de leucemia mieloide crônica, tipo de câncer que afeta as células mieloides (subtipo de glóbulos brancos) presentes na medula óssea.

Sem responder ao tratamento quimioterápico e lutando para sobreviver, iniciou campanha nas redes sociais para incentivar a doação de medula. Agora, Millena luta pela própria vida e também pela de milhares de pessoas que precisam de transplante.

A campanha começou logo após a constatação médica de que só um transplante poderia salvar sua vida. “É uma doença grave, que precisa de acompanhamento sistemático. Se o paciente não responde ao tratamento quimioterápico, a única chance de cura é o transplante”, esclarece a hematologista Elizabeth Vilar.



Em um vídeo divulgado no Facebook, Millena fala das dificuldades da doença e da necessidade de doação. Em pouco mais de duas semanas, a filmagem alcançou a marca de 34 mil visualizações e mais de mil compartilhamentos. Os amigos também se mobilizaram e produziram banners, camisetas, cartazes e fôlderes informativos sobre o processo de doação de medula óssea. Neste domingo (8), o grupo realizou divulgação na Praia de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. “Tenho que correr atrás disso, não dá para ficar parada esperando, afirma Millena.

A doença também abriu os olhos para a necessidade de outras pessoas. “Essa não é uma luta só minha. Muita gente passa pelo mesmo problema e precisa de doação. Não é uma campanha direcionada só a mim, mas a todos que precisam”, explica a bancária. Para Millena, um dos principais fatores que dificultam a doação de medula óssea é a falta de informação. “Sempre fazem campanha incentivando a doação de sangue, mas nunca incentivama doação de medula óssea, que é tão importante quanto”, comenta.

Mãe de um garoto de apenas 6 anos, Millena não perde a esperança. Mesmo com as probabilidades contrárias (a chance de compatibilidade entre doador e receptor de medula é de uma em 100 mil) e os sintomas causados pela leucemia, como a queda de cabelo, a bancária não tira o sorriso do rosto e não perde a vaidade. “Se o cabelo cai, eu coloco mega-hair. Os cílios caíram, coloquei cílios postiços. Não vou abaixar a cabeça, continuo firme e forte. Eu canso o câncer, mas ele não me cansa”, brinca.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM