Jornal do Commercio
SAÚDE

Falta de medicamentos atinge toda a rede pública de saúde de Pernambuco

Constatação vem de levantamento feito pelo Conselho Regional de Farmácia do Estado

Publicado em 11/08/2015, às 14h46

Foi identificada falta de medicamentos nas 12 farmácias do componente especializado, nos 24 hospitais ligados à SES e nas três unidades de saúde vinculadas à UPE  / Free Images
Foi identificada falta de medicamentos nas 12 farmácias do componente especializado, nos 24 hospitais ligados à SES e nas três unidades de saúde vinculadas à UPE
Free Images
Do JC Online

A falta de medicamentos na rede de saúde de Pernambuco prejudica o tratamento de pacientes com doenças crônicas e graves, que exigem assistência contínua. Sem acesso a medicações que são para ser distribuídas gratuitamente através do Sistema Único de Saúde (SUS), a população corre o risco de ter uma doença agravada, de passar por internações hospitalares e de desenvolver complicações que podem levar ao óbito.

Esse alerta vem do Conselho Regional de Farmácia de Pernambuco (CRF/PE), que realizou levantamento da situação da rede de toda a rede, incluindo farmácias gerenciadas diretamente pelo Estado e pelas chamadas organizações sociais (OS), como também por aquelas que são administradas pela Universidade de Pernambuco (UPE).

A pesquisa revela que, além do desabastecimento de medicamentos, a falta de farmacêuticos e de estrutura física adequada nas farmácias. Para traçar o panorama da assistência farmacêutica da rede estadual de saúde, o CRF/PE contou com o apoio do Sindicato dos Farmacêuticos do Estado de Pernambuco (Sinfarpe). Foram visitadas, em junho e julho, 72 unidades em 12 gerências regionais de saúde do Estado.



Entre elas, 12 farmácias do componente especializado, 24 hospitais sob gestão direta da Secretaria Estadual de Saúde (SES), nove hospitais geridos pelas OS, três hospitais sob a gestão da UPE, 15 unidades de pronto atendimento (UPAs) administradas pelas OS e nove unidades pernambucanas de atenção especializada (UPAE). 

Foi identificada falta de medicamentos nas 12 farmácias do componente especializado, nos 24 hospitais ligados à SES e nas três unidades de saúde vinculadas à UPE. Além disso, o levantamento mostra que, dos 208 farmacêuticos da SES, UPE e Hemope, 12,5% têm vínculo precário. 



Comentários

Por MARIA DO CARMO,16/03/2016

BOM DIA, TENHO TENTADO DE TODAS AS FORMAS( TELEFONES) UMA RESPOSTA DO SUS, SOBRE VARIOS ASSUNTOS, MAS, NUNCA VI TANTO DESREIPEITO COM O CIDADÃO: FUNCIONÁRIOS SEM NENHUM PREPARO PARA LIDAR COM O PÚBLICO, ( A MAIORIA MUITO GROSSEIROS), NÃO SABEM INFORMAR NADA. A UNIDADE QUE FICA NA RUA OSVALDO CRUZ, NÃO OFERECE O MÍNIMO DE DIGNIDADE( PRINCIPALMENTE AOS MAIS POBRES, QUE, NA MAIORIA VEM SÓ COM O DINEIRO DA PASSAGEM), NÃO TEM UM CAFÉ, UM PEQUENO LANCHE( JÁ QUE NADA É DADO, SABEMOS QUE O DINHEIRO É TIRADO DE NOSSOS IMPOSTOS. OS NÚMEROS DE TELEFONE TANTO DA FARMÁCIA , NINGUÉM ATENDE NUNCA, POIS JA FACILITARIA A VIDA DE TODOS, P/ NÃO DÁ VIAGENS PERDIDAS ( DE NÃO TER O MEDICAMENTO) O DA OUVIDORIA,, ATENDE, NAS, NÃO SABEM INFORMAR NADA. PRONTO: O MEU DESABAFO É O SEGUINTE: MEU ESPOSO TEM A DOENÇA DE ALZHEIMER , HA 10 ANOS, TOMA GALANTAMINA ER DE 24MG, HÁ MAIS DE 05 MESES QUE ESTÁ EM FALTA, ENTÃO PODE SER SUBSTITUIDO PEL DE 16MG+ 08= 24MG ( SÓ, QUE SÓ TEM, QDO TEM O DE 16MG), VOCES, NÃO TEM NOÇÃO O QUE A GENTE PASSA PARA CONSEGUIR ESTA TAL ADEQUAÇÃO: É MÉDICO QUE RASURA DOCUMENTO, É O SISTEMA(?) QUE NÃO ACEITA. E, O PIOR DE TUDO ISSO, É QUE AS FARMÁCIAS TAMBEM ESTÃO EM FALTA. ALGUEM PODE NOS AJUDAR? A QUEM RECORRER? mARIA DO CARMO

Por romildo,15/08/2015

ostaria que fosse noticiado nesse page, a existência de uma pratica irregular praticada por vários laboratórios da região de petrolina , inclusive o hospital de traumas , eu fiz um requerimento junto ao crf pe, sob numero de protocolo : 00696515 crf pe, a qual fui informado que nessa referida cidade ( petrolina pe ) só existe 06 técnicos em laboratório credenciado ao órgão e 06 laboratórios credenciados, aonde desde técnicos credenciados ,02 não estão exercendo a profissão , eu e minha irmã, ficando claro que só existem 04 pessoas habilitadas a exercer a profissão, e existe vários laboratórios nessa cidade e cidades vizinhas que realizam exames laboratórias , sem contar os hospitais, no hospital de traumas desta cidade por exemplo, eu fiquei sabendo da existência de 37 pessoas exercendo essa profissão ilegalmente como preconiza a lei federal 3820/1960, art.14 SS único ,linha a,caracterizando assim crime de exercício ilegal da profissão. e ainda pondo em risco desta forma a credibilidade dos exames realizados colocando em risco a saúde das pessoas que busca a realização de exames em nosso município. ai eu pergunto: onde estar a fiscalização do crf pe.

Por Márcia Veríssimo,12/08/2015

A quem recorrer! ficamos apenas com a opção do comprar. Caso específico do meu irmão que tem esquizofrenia residual, toma desde 2009 o Ziprasidona 80mg e simplesmente a Farmácia do Governo do Estado não tem. O que fazer? esperar que ele tenha um surto. Gente, nossa constituição garante, garante e não temos, é simplesmente desolador. Pobre Brasil! ausência de muitas coisas inclusive de vergonha.

Por ADERSON,11/08/2015

CADÊ O GOVERNO DO ESTADO QUE BOTA ESSES SECRETARIADOS QUE NÃO RESOLVE NADA, É UMA VERGONHA PARA PERNAMBUCO CRESCEU ESTÁ DESCENDO DE LADEIRA ABAIXO.

Por patricia,11/08/2015

Excelente trabalho realizado pelo CRF-PE junto com o SINFARPE. Quem mais perde com a falta de medicamentos é a população.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM