Jornal do Commercio
Saúde

Neuropediatra é o maestro da orquestra, define Vanessa Van der Linden ao falar sobre microcefalia

Ao falar sobre o acompanhamento dos bebês com a malformação congênita, médica ressalta a importância da sua especialidade, mas também aplaude o papel de outros profissionais no atendimento dessas crianças

Publicado em 05/03/2016, às 09h51

"A gente não trabalha só; é impossível. Para atender uma criança com microcefalia, precisamos de outros profissionais", diz Vanessa
Divulgação
Cinthya Leite

Passados sete meses da mudança do padrão da ocorrência da microcefalia, a neuropediatra Vanessa Van der Linden fala sobre o papel de sua especialidade e os detalhes que tem observado ao acompanhar os bebês. 

JC – Qual a importância da sua especialidade diante do avanço da microcefalia? 

VANESSA VAN DER LINDEN – Digamos que o neuropediatra é o maestro de uma orquestra. A gente não trabalha só; é impossível. Para atender uma criança com microcefalia, precisamos de outros profissionais. É como se fôssemos um médico coordenador. A gente tem uma população não só de pacientes com microcefalia, mas de outros com várias doenças que precisam de neuropediatra. E na rede pública, realmente é preciso aumentar o número desses profissionais. Os neurologistas de adultos também podem atender, mas não é a mesma coisa porque as complicações de um quadro neurológico de uma criança pequena são diferentes das do adulto. 



JC – E os pediatras?

VANESSA – Aqueles que têm uma noção de neurologia podem ajudar também, como em situações de disfagia, que é a dificuldade de deglutição com risco de broncoaspiração, e de irritabilidade causada principalmente pela esofagite. Em muitos pontos, o pediatra vai ser importante sim. 

JC – Apesar de muitos bebês com microcefalia mamarem bem, eles têm dificuldade de deglutição? 

VANESSA – Numa fase inicial, a criança age bem mais pelo reflexo. A partir do momento em que o cérebro começa a amadurecer, ele começa a influenciar e tem que se organizar de uma maneira mais voluntária. É aí que a gente começa a ver as dificuldades de deglutição. Então, muitas vezes o bebê pode nascer sugando bem, deglutindo bem e, a partir dos 3, 4, 5 meses, que é a idade que a gente vê agora, alguns começam a fazer engasgo e ter dificuldade de alimentação. Atualmente mais de 1/4 com 3, 4 meses já começa a apresentar algum sintoma que possa sugerir disfagia. E para mim, o fonoaudiólogo é extremamente importante nesse processo de reabilitação.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM