Jornal do Commercio
Saúde

Pernambuco fechou 64% dos leitos psiquiátricos do Estado

Dado é do Conselho Federal de Medicina. Estado teve a terceira maior redução na oferta de vagas de internação do País

Publicado em 07/04/2017, às 07h48

Hospital Ulysses Pernambucano é, praticamente, o único hospital psiquiátrico em atendimento no Estado / JC Imagem
Hospital Ulysses Pernambucano é, praticamente, o único hospital psiquiátrico em atendimento no Estado
JC Imagem
Da editoria de Cidades

Nos últimos 11 anos, Pernambuco reduziu em 64% a oferta de leitos psiquiátricos para internação na rede de saúde do Estado. Levantamento feito pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) revela que, no período entre 2005 e 2016, foram fechadas 2.102 vagas para pacientes psiquiátricos. A oferta disponível hoje no Estado, de acordo com o mapeamento, é de 1.191 leitos. Em 2005, era de 3.293 vagas. No ranking feito pelo conselho, Pernambuco é o Estado com a terceira maior redução na quantidade de leitos do País. Fica atrás apenas de São Paulo, que perdeu 5.277 vagas, e do Rio de Janeiro, que fechou 4.340 leitos.


O levantamento, divulgado no final do mês passado, aponta que a oferta de internação psiquiátrica no Brasil foi reduzida em quase 40%. Das 40.942 vagas existentes em 2005, até o ano passado só restavam 25.097. “Nós estamos denunciando a irresponsabilidade de fechar os leitos de internação, sem oferecer uma rede de assistência adequada, que garanta o atendimento aos pacientes, principalmente nos casos mais graves de doença mental”, afirmou o psiquiatra Emmanuel Fortes, 3º vice-presidente do CFM. O médico explica que o documento elaborado pelo conselho servirá como base para pressionar o Ministério da Saúde a rever a condução da política nacional de saúde mental. “Precisamos, urgentemente, discutir a reabertura de leitos adequados tanto de internação quanto ambulatoriais”, afirma Fortes.



O presidente do Conselho Regional de Medicina (Cremepe), André Dubeux, reforça a crítica feita pelo psiquiatra. “Em Pernambuco, praticamente, só temos internação no Hospital Ulysses Pernambucano. E uma parte da unidade está interditada por apresentar problemas estruturais. Criamos um grupo de trabalho para discutir a situação do hospital, mas as ações ainda não aconteceram”, afirma Dubeux. A psiquiatra Milena França, que atende no Ulysses Pernambucano, diz que a lei que propôs a reforma psiquiátrica ficou só no papel. “Fecharam os leitos, mas não criaram uma rede de assistência alternativa para atender, sobretudo, os pacientes mais graves. E a demanda vem aumentando, devido à combinação do uso de álcool e drogas”, defendeu.

REDE ASSISTENCIAL

O gerente de Saúde Mental da Secretaria Estadual de Saúde, João Marcelo Ferreira, diz que a redução de leitos atende a uma política nacional, que transformou a lógica do atendimento de saúde mental no País. Ele afirma que uma rede paralela ainda está sendo formada, priorizando, inclusive, a assistência por parte dos municípios. “Temos 125 Centros de Apoio Psicossocial (CAPs) no Estado. Desses, nove atendem 24 horas. Precisamos aumentar esse número, o que já vem sendo pactuado com as secretarias municipais, para que elas também assumam o acompanhamento desses pacientes”, informou.



Comentários

Por Giovana,07/04/2017

Consequência, principalmente, da Lei Estadual nº 11.64/94, que determina a substituição de hospitais psiquiátricos por recursos assistenciais alternativos e proíbe o Estado de Pernambuco de construir, ampliar, contratar ou financiar novos estabelecimentos, instituições privadas ou filantrópicas que caracterizem hospitais psiquiátricos.

Por Mulher,07/04/2017

E os "doentes mentais'' ou "psicopatas" convivem conosco diariamente. Estão no nosso meio, pode ser meu(a) vizinho ou um(a) colega de trabalho. Pernambuco já está violento! Imagina para a mulher andar sozinha na rua, está mais vulnerável ainda, porque pode sofrer estupro!

Por Edson Alexandre,07/04/2017

Infelizmente nosso país virou as costas para essas pessoas e famílias que sofrem diariamente e acontece desastres por falta de assistência. A tal "Reforma Psiquiátrica" não serviu para nada.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Sozinhas nasce uma mãe Sozinhas nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM