Jornal do Commercio
Saúde

PE: oito unidades de saúde investigam síndrome que causa manchas vermelhas na pele

Investigação está sendo feita por quatro municípios pernambucanos: Recife, Jaboatão dos Guararapes, Caruaru e Petrolina. Entre as principais suspeitas, estão zika, enterovírus e parvovírus

Publicado em 12/11/2018, às 12h36

"Estruturamos uma vigilância em algumas unidades de saúde. Todos os pacientes sintomáticos (com rash que se assemelha ao quadro em investigação) desses serviços deverão ser notificados. Eles também passarão por coleta de amostra (de sangue) para realizaçã
Foto: Miva Filho/SES Divulgação
Cinthya Leite

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) selecionou oito unidades de saúde, em quatro municípios pernambucanos (Recife, Jaboatão dos Guararapes, Caruaru e Petrolina), para fazer vigilância sentinela do que se convencionou a chamar de “síndrome exantemática de etiologia a esclarecer”, referindo-se aos casos de doença exantemática ou rash (manchas vermelhas em uma região específica do corpo ou por toda a pele), que têm acometido as crianças com maior frequência e que ainda não tem causa definida. O alerta surgiu de relatos recentes (início deste mês) de médicos que atuam nas emergências de serviços públicos e privados de saúde do Estado.

“Além das observações feitas por médicos dos hospitais do Recife, há relatos de profissionais de outras cidades, como São Bento do Una (Agreste), de Ouricuri e de Petrolina (ambas no Sertão). Também já foram percebidos casos sugestivos desse tipo de rash em Salvador (Bahia) e em municípios de Alagoas”, informa o clínico-geral Carlos Brito, integrante do Comitê Técnico de Arboviroses do Ministério da Saúde.

A investigação padronizada da SES tem como intenção descrever as manifestações da doença, identificar fatores relacionados ao risco de transmissão e adoecimento, confirmar a causa e orientar medidas de prevenção adequadas. Por nota técnica, a secretaria orienta que sejam notificadas como casos suspeitos da síndrome todas as pessoas, independentemente da idade, atendidas nas unidades sentinelas, que apresentem manchas vermelhas na pele, com febre ou sem, e não se enquadrem nos critérios de suspeita de arboviroses (dengue, chicungunha e zika), rubéola e sarampo. 



Os pacientes que forem notificados devem passar por exames de sangue, urina, fezes e secreção de naso e orofaringe. Para análise, as amostras serão encaminhadas ao Laboratório de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE). “A nota técnica é importante, neste momento, porque chama a atenção para um quadro que precisa ser identificado. Essa ação imediata é fundamental para se disparar um trabalho de investigação. Agora, é essencial agilidade na análise dos exames, a fim de se identificar a causa (do rash)”, reforça Carlos Brito.

SUSPEITAS

Entre as hipóteses, há aquelas que mais prevalecem e outras nem tanto. “As suspeitas que predominam são o zika, os parvovírus e os enterovírus, mas outras possibilidades de diagnóstico também são consideradas, em mesma intensidade, na investigação”, avisa o diretor-geral de Controle de Doenças Transmissíveis da SES, George Dimech.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM