Jornal do Commercio
Notícia
Saúde

Faltam 60% dos medicamentos na Farmácia de Pernambuco

Na lista de 231 medicamentos que deveriam ser oferecidos, 139 não estão disponíveis. MPPE investiga desabastecimento

Publicado em 12/04/2019, às 09h12

Faltam remédios para doenças crônicas, transtornos mentais, patologias autoimune e até dores superintensas  / Foto: Freepik
Faltam remédios para doenças crônicas, transtornos mentais, patologias autoimune e até dores superintensas
Foto: Freepik
Cinthya Leite

Dos 231 medicamentos que devem fazer parte da lista da Farmácia de Pernambuco, 139 estão em falta. A conta espelha uma taxa de desabastecimento de 60% e retrata as queixas frequentes dos pacientes que precisam da medicação para manter sob controle doenças crônicas, transtornos mentais, patologias autoimune, deficiência do hormônio de crescimento e até dores superintensas só aliviadas com morfina. O dado é do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), que há cerca de três anos abriu inquérito civil público para apurar o desabastecimento.

“Há momentos em que os remédios chegam à farmácia, mas imediatamente a escassez aparece. Medicações para hipertensão arterial pulmonar, por exemplo, já faltaram por cerca de um ano. Ingressamos, então, com ação judicial para o Estado comprar o remédio. Ao longo do tempo, percebemos que outras medicações apresentam oferta irregular”, destaca a promotora de Defesa da Saúde da Capital, Maria Ivana Botelho, que preside o procedimento sobre a Farmácia do Estado.

O índice de desabastecimento, segundo ela, vem da lista disponibilizada pelo governo estadual mensalmente para que o MPPE acompanhe a oferta das medicações. “Essa relação é a mais atual, de fevereiro. Ainda vamos receber a de março. O secretário estadual de Saúde (André Longo) nos garantiu que a disponibilidade de medicamentos é uma das prioridades da gestão. Vamos ter audiência no fim deste mês para debater questões relativas à falta de remédios”, frisa. Ela acrescenta que, durante o encontro, o MPPE discutirá atitudes que o Estado possa tomar para garantir a normalidade do estoque.

A promotora reconhece que o subfinanciamento da Saúde é um dos fatores que comprometem a oferta de medicações. “Já fizemos audiência com fornecedores. Eles alegam não ter condições de se manter com o débito do Estado, que paga a alguns em atraso e continua em dívida com outros”, diz Maria Ivana.



Desde janeiro, assim que assumiu o cargo de secretário de Saúde, André Longo sinaliza reconhecer o problema do desabastecimento. “Por mês, são desembolsados R$ 5 milhões para a compra dos medicamentos. Admitimos que é insuficiente. Estamos criando logística que otimize o processo de compra. Queremos criar um consórcio para que os Estados do Nordeste façam compra compartilhada, em grande escala, para alcançarmos economicidade perante os fornecedores”, informa Longo.

O secretário acrescenta que estão em pauta outros projetos para a farmácia, como a criação de um aplicativo para o cidadão verificar a disponibilidade dos medicamentos sem ter que ir ao estabelecimento. “Também estudamos a possibilidade de melhorar a distribuição dos insumos, com entrega em domicílio.”

Insulina 

Diagnosticada aos 5 anos com diabetes tipo 1, Luiza, 8, é cadastrada na Farmácia de Pernambuco para receber a insulina glargina (ou Lantus, nome comercial). “Há quase três meses, estamos sem receber Lantus. A explicação é que não há previsão para que a insulina chegue. Felizmente faço parte de um grupo de apoio em que nós, mães de crianças com diabetes, ajudamos umas às outras. No último mês, troquei fitas (para controle glicêmico) pela insulina com uma das mães. E assim minha filha consegue controlar a diabetes”, conta a mãe de Luiza, a fonoaudióloga Evellyn Campelo.

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) informa que finaliza o processo de compra de Lantus. “A equipe tem trabalhado para agilizar todos os trâmites legais para que haja o reabastecimento no menor tempo possível”, resume o órgão.



Comentários

Por LYRA,12/04/2019

É se matando os pobres que sobra mais verbas para desvios das mesmas. Em um país sério, com um judiciário confiável, o tal Paulo Câmara "CAMPOS 10%" já estaria preso a muitos e muitos anos, além de fazer e ser uma das principais figuras da quadrilha do falecido Eduardo Campos 10% ainda está matando a população carente de PE.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM