Jornal do Commercio
Notícia
FALTA REMÉDIO

MPPE pede bloqueio de contas do Estado para compra de medicamentos

O bloqueio foi pedido para a compra de insulinas, em falta na rede da Farmácia do Estado. Até abril, desabastecimento de medicamentos chegava a 60%

Publicado em 24/05/2019, às 10h53

Insulina não é o único medicamento em falta / Foto: Guga Matos/ Arquivo JC Imagem
Insulina não é o único medicamento em falta
Foto: Guga Matos/ Arquivo JC Imagem
Cidades

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) pediu o bloqueio das contas do Estado para garantir a compra de insulina, medicamento que deverias estar sendo distribuído gratuitamente na Farmácia do Estado. O órgão também entrará com uma ação judicial para assegurar a aquisição de micofenolato, fármaco usado no tratamento de lúpus, igualmente em falta na rede. Até o final de abril, o desabastecimento das unidades era de 60%, quando faltavam 139 dos 231 remédios que deveriam ser disponibilizados. Os valores bloqueados serão utilizados na compra direta destes medicamentos. 

A estudante Manuella Laysa Albuquerque, 15 anos, tem lúpus e precisa fazer o uso do medicamento micofenolato de mofetila para evitar o avanço da doença. Sem receber o remédio desde novembro, a mãe da estudante precisa fracionar o uso para garantir que os comprimidos durem todo o mês. “O ideal é que ela tome quatro comprimidos por dia, mas não temos condições porque cada caixa custa quase R$ 500. O jeito é diminuir a quantidade para render, mas a gente tem medo que ela tenha complicações por não estar fazendo o tratamento correto”, conta a dona de casa Isla Albuquerque. O intuito do remédio, no caso dela, é reduzir a necessidade de realizar um transplante de rim.

O tratamento da assistente social Juliana Clécia do Nascimento, 29, precisou ser interrompido de vez. Também portadora de lúpus, a paciente teve a oportunidade de trocar de remédio, na falta do micofenolato, mas a medicação recomendada também estava em falta. “Para não interromper o tratamento, a médica me receitou outro remédio, mas também não consegui na farmácia e estou desde então sem tomar nada. Aos poucos, minhas taxas estão aumento e isso me preocupa, porque todo o tratamento de anos está sendo perdido”, comenta Juliana, que está sem se medicar desde dezembro do ano passado.



Segundo a Secretaria de Saúde do Estado (SES), o medicamento está em falta por atraso na entrega por parte dos fornecedores. O novo prazo estipulado para a regularização dos repasses é até a próxima segunda-feira (27). Já insulina do tipo glargina (Lantus), passou recentemente por processo licitatório e não tem data de entrega definida. 

“Eu faço uso de insulina há 19 anos e sempre convivi com as faltas na Farmácia. A minha sorte é que meu pai me ajuda e compra insulinas análogas rápidas. Não são as ideais, mas é o que podemos. Quando posso, fraciono o uso da Lantus com estas outras, mas o risco de descompensar as taxas é grande”, conta a psicóloga Leyla Lima, 30. Integrante da Associação Pernambucana do Diabético Jovem (APDJ), Leyla diz a falta de insulinas têm amedrontado pacientes. “Os problemas de saúde acarretados pelo descontrole na glicemia são sérios, incluindo amputações, cegueira e problemas de coração. Constantemente, vemos colegas sendo internados com taxas alteradas por não terem condições de fazer comprar os medicamentos, que deveriam ser disponibilizados pelo Estado. Isso é triste e revoltante”, acrescenta.

Segundo a promotora de Defesa da Saúde da Capital, Helena Capela, no último dia 29, durante audiência entre o MPPE e representantes da SES, ficou acertado que o fornecimento das insulinas estaria normalizado em 15 dias. No caso do micofenolato, a data estipulada pelo Estado foi até a última segunda-feira (20). Como os prazos não foram respeitados, o MPPE entrou com um pedido de bloqueio de contas. “A insulina já é objeto de ação nossa há mais tempo. Como já tínhamos uma decisão judicial a ser cumprida, reforçamos com o pedido direto de bloqueio de contas e o resultado deve ser despachado hoje. O valor estipulado foi de R$ 1.800.00,00, que equivale a seis meses de medicamento. Quanto ao micofenolato, vamos seguir o mesmo trâmite. Só estamos fazendo o levantamento quantitativo de usuários para estipular em quanto será pedido o bloqueio”, explicou.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM