Jornal do Commercio
Notícia
CT-PE

1.378 pessoas realizaram transplantes de órgãos em Pernambuco até outubro em 2019

Dados são da Central de Transplantes de Pernambuco (CT-PE)

Publicado em 12/12/2019, às 09h55

Pernambuco ocupa o primeiro lugar no Norte e Nordeste no número de procedimentos de coração, rim, pâncreas e medula óssea / Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Pernambuco ocupa o primeiro lugar no Norte e Nordeste no número de procedimentos de coração, rim, pâncreas e medula óssea
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
JC Online

Só em 2019, entre janeiro e outubro, 1.378 pessoas tiveram a chance de um recomeço em Pernambuco. De acordo com a Central de Transplantes de Pernambuco (CT-PE), essa foi a quantidade de procedimentos realizados pela instituição, que comemora, nesta quinta-feira (12), 25 anos de funcionamento.

Desse total, foram 647 transplantes de córnea, 324 de rim, 210 de medula óssea, 133 de fígado e 39 de coração.

1º lugar

De acordo com a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), na análise até o terceiro trimestre do ano, Pernambuco ocupa o primeiro lugar no Norte e Nordeste no número de procedimentos de coração, rim, pâncreas e medula óssea.

"Esse ranking demonstra o compromisso do Governo de Pernambuco em prestar assistência à população que necessita de transplantes. Mostra também a excelência dos serviços prestados no Estado, beneficiando pernambucanos e, como o SUS não tem barreiras, pacientes de diversas regiões do país", afirma o secretário estadual de Saúde, André Longo.

Transplantes em 2019

Só neste ano, entre janeiro e outubro, 1.378 pessoas tiveram a chance de um recomeço em Pernambuco. Desse total, foram 647 transplantes de córnea, 324 de rim, 210 de medula óssea, 133 de fígado e 39 de coração.

Fila de espera

Atualmente, há 1.448 pacientes aguardando por um órgão ou tecido em Pernambuco, segundo a Central de Transplantes do Estado (CT-PE).

A maior fila de espera é a de rim, com 1.087 pessoas, seguida de córnea (188), fígado (113), medula óssea (29), coração (17) e rim/pâncreas (14).

Saiba como doar

Além da doação de órgãos e tecidos após o falecimento, também é possível se tornar um doador ainda em vida e ajudar a reduzir a lista de 1.448 pacientes que ainda sonham com um transplante em Pernambuco. O gesto de solidariedade pode ser prestado com parte do rim ou medula óssea e, ocasionalmente, com parte do fígado ou do pulmão para um de seus familiares.

Para doadores não parentes, há necessidade de autorização judicial, aprovação da Comissão de Ética do hospital transplantador e da CNCDO (Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos – INCA), assim como de comunicação ao Ministério Público.



Medula óssea

Para doar a medula óssea, a pessoa interessada em doar deve ir ao Hemope para fazer seu cadastro e coleta de uma amostra de sangue, para a realização dos exames de compatibilidade. Assim, é possível ajudar alguém de qualquer lugar do Brasil e do mundo.

Em Pernambuco, o cadastro do doador de medula é feito nas unidades do Hemope do Recife, Caruaru, Garanhuns, Serra Talhada, Arcoverde, Ouricuri e Petrolina. Para ser um doador, o interessado, que deve ter entre 18 e 55 anos, participa de uma palestra sobre o assunto e assina um termo de consentimento, além de preencher uma ficha com informações pessoais.

Avise à família

No Brasil, para ser doador de órgãos e tecidos, não é necessário deixar nada escrito. Basta avisar a família. É ela quem autorização a ação.

Após a morte

Pessoas de todas as idades e históricos médicos podem ser consideradas potenciais doadoras. Sua condição médica no momento da morte determinará quais órgãos e tecidos poderão ser doados.

O paciente internado em unidade de terapia intensiva (UTI) com morte encefálica, em geral causada por traumatismo craniano (TCE) ou derrame cerebral (AVC) é um potencial doador. A retirada dos órgãos e tecidos é realizada no centro cirúrgico do hospital e segue toda a rotina das grandes cirurgias. A retirada de córnea pode ser realizada até seis horas após a parada cardíaca.

Rins, coração, pulmões, fígado, pâncreas e também tecidos, como córneas, pele e ossos são alguns dos órgãos que podem ser doados após o falecimento.

Córnea zero

Em 2019, Pernambuco manteve o status de córnea zero, sustentado desde 2017. Apesar de haver, atualmente, 188 pessoas esperando pelo transplante de córnea no Estado, o status significa que todo paciente que tem indicação para o procedimento e os exames necessários para ser inscrito na fila de espera faz a cirurgia em até 30 dias.

Vidas Compartilhadas

Todos temos histórias emocionantes para contar. Algumas revelam como a dor da morte pode se transformar em solidariedade e levar esperança para um recomeço. Na reportagem especial Vidas Compartilhadas, o JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso. Confira o especial Vidas Compartilhadas aqui.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM